Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
190 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59109 )

Cartas ( 21236)

Contos (13108)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46496)

Humor (19274)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138219)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5519)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->08.04.2020 - Coração Sadio -- 14/04/2020 - 14:23 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Diário da Pandemia

 

https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/lgpd-entenda-o-que-e-a-lei-geral-de-protecao-de-dados-pessoais/

 

Uma colega do Banco da Amazônia ao ler meu pedido de transferência de Soure para Belém (PA), instruído com Laudo Médico sobre a hipertensão que me acomete, fez o seguinte comentário, o que através de outra colega chegou ao meu conhecimento: “O que esse velhote, doente do coração, quer vir fazer em Belém? Melhor que fique em Soure, na Ilha do Marajó, onde a qualidade de vida em bem melhor“. Concluiu. Um dia, já em Belém (PA), escrevi os seguintes versos e enviei pra ela, que os acolheu com bom humor.     

 

Coração Sadio

 

Sou alto, forte e jovial Belo porte e não anão Se me atribuem um mal Digo logo de antemão Sou apenas hipertenso Não sofro do coração A todos peço atenção Que deixem o preconceito

Pois o cara que balança Aqui dentro do meu peito Não tem nada de doença Só das veias me receito Por isso leiam direito O que tenho escriturado Meu coração é sadio E muito bem estruturado Pois tem me feito poeta E por todos estimado Deixo aqui este recado De nada estou reclamando Só um questionamento Ora faço aqui rimando Como pode ser doente Coração que vive amando? Belém (PA), 11.11.2008

 

Obs.: Por ter nascido no dia 31.12.1953, às vezes brinco me comparando a um automóvel e digo que sou duas cabeças, ano 1953, modelo 1954. Hoje vejo que igualmente ao automóvel o corpo também necessita de revisões mais constantes após perder as garantias. Sempre gozei de boa saúde, graças a Deus e a uma vida comedida, pois até a cerveja só me faz bem, o que sinto pela vontade de sempre tomar mais uma. Agora, ao entrar em isolamento por causa da pandemia, tive que inventariar as minhas comorbidades e fiquei surpreso como evoluíram depois daquela inocente hipertensão do ano 2008. Hoje sou idoso, hipertenso, hiperuricêmico, diabético e obeso. Só vivo, hein? Brincadeiras a parte, apesar dos 66 anos, bem vividos, ainda me sinto jovem e em condições de me manter ativo na minha lida bancária, iniciada em 1976, esperando nela continuar até quando Deus e o Banco permitirem.

 

Que Deus nos proteja a todos.

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

Caros Amigos,

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

Abraços a todos.

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 08.04.2020.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 74 vezesFale com o autor