Usina de Letras
Usina de Letras
15 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O McGuffin de Lula -- 31/07/2008 - 16:17 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
São Paulo, segunda-feira, 28 de julho de 2008

Folha de S. Paulo

O MacGuffin de Lula

IGOR GIELOW

BRASíLIA - Poucas enganações são tão repetidas quanto a suposta genialidade da condução do Brasil a um lugar ao sol no mundo. Fosse o Brasil de Lula um filme de Hitchcock, a política externa seria seu MacGuffin - aquele truque narrativo que parece ser de importància fundamental, o foco do enredo que assombra a todos, mas que no fundo é vazio de sentido real.

Há sucessos e fracassos, como em qualquer governo, mas a importància dos últimos até aqui vem superando a relevància dos primeiros. Independentemente do que for parido pelas conversas da Rodada Doha, a inabilidade mostrada nas negociações é suficiente para colocar a "prioridade" (que já foi Mercosul, união latino-americana, Conselho de Segurança etc.) no rol dos processos mal conduzidos.

Mas nem se trata de analisar casos pontuais. Cada vez fica mais evidente que não é clarividência, ousadia ou, como gostam os itamaratecas, "altivez" o motor que leva o Brasil ao maior destaque nos assuntos mundiais. A conta fica para a inexorabilidade do desenvolvimento de um mundo em que os emergentes deixaram de ser espectadores anódinos. E esse movimento ocorreria com ou sem Itamaraty.

Nós devemos mais à fome por commodities de Pequim e à consciência do desastre geopolítico do petróleo por Washington do que a qualquer arroubo setentista dos "barbudinhos" de plantão. Mas mesmo essa relevància é relativa, já que como potência regional não conseguimos nem sequer projetar influência local. Na hora do vamos ver, o Brasil continua periférico.

Se pode brilhar em algo, é justamente nas áreas em que se destacaria por vocação. Inovação e pensamento estratégico moderno não combinam com a empáfia e o neoestatismo vigentes. Ainda assim, você irá ouvir "ad nauseum" que a nossa política externa é a melhor do mundo. Como Goebbels ensinou, não é?

igielow@folhasp.com.br
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui