Usina de Letras
Usina de Letras
11 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O rato que ruge -- 01/10/2008 - 21:40 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O RATO QUE RUGE

Laerte Braga

O grande dilema da mídia brasileira é ter que noticiar a morte do "deus" mercado como infalível e onipotente e a vitória do presidente do Equador, um país de pequenas dimensões territoriais na América do Sul, aprovando um projeto de constituição que transforma o Estado em principal agente institucional, económico e de políticas sociais de transformações e mudanças em direção oposta ao "deus" morto.

O modelo neoliberal foi rejeitado na Venezuela, na Bolívia, no Equador, no Paraguai, no Uruguai e a vitória do presidente Rafael Corrêa no referendo de domingo tem um significado muito maior do que se possa imaginar e por isso faço alusão às dimensões territoriais do país.

Acontece no exato momento que os supremos sacerdotes do capitalismo neoliberal resolvem estatizar bancos, companhias de crédito e seguradoras, para evitar que os "fundamentos" do modelo explodam. Foi o ministro das Finanças da chamada "zona do euro", Jean Claud Juncker, que chamou o modelo de "jogar cassino", vale dizer, especular derrubando cotações dos bancos "uns atrás dos outros".

Mesmo nos momentos de crise o sistema financeiro continua sobrevivendo na fraude.

"O que é um assalto a um banco diante de um banco?" Velha, surrada e repetida frase de Lenine. Sempiterna.

É um equívoco achar que vamos passar ao largo da crise. O governo Lula segurou com mais propriedade os "fundamentos" do "deus" mercado, adotou políticas sociais compensatórias com viés populista, mas o Banco Central do Brasil (em tese), sob a batuta do norte-americano Henry Meireles, revelou que o brasileiro vive os mais altos níveis de endividamento da história. As dívidas cresceram mais que os salários e os riscos de inadimplência são maiores agora que antes, quando o cassino fluía normalmente em sua artificialidade do modelo globalizado.

O crédito no País avançou 31,8% nos últimos doze meses, bateu recordes absolutos e chegou a 1,11 trilhão de reais. Foi recorde também na comparação com o PIB (Produto Interno Bruto). Um crescimento que saltou de 24% por cento em 2003, para 38% em 2008 e deve chegar a 40% no final do ano.

Toda essa linguagem típica dos especialistas sempre prontos a analisar a catástrofe terminando com o clássico "não há motivos para preocupação", mostra a falência do modelo entre nós e a falácia da distribuição de renda mais equitativa no atual governo. PIB, crescimento de crédito são medidas capitalistas, neoliberais e refletem a morte do mercado absoluto.

Breve a distribuição de dívidas. Com um detalhe, o crédito cresce mais que a economia, ou seja, a produção de bens e riquezas. Logo...

O modelo aqui tem a chancela tucana de Fernando Henrique Vende (FHV). Vendeu todo o património público do País, comprometeu fundos de pensões de empresas estatais (lesando servidores) e anunciou o país do futuro naquela conversa fiada da primeira campanha, em 1994, os cinco dedos.

O que os países latino-americanos num espectro maior estão decidindo pela vontade popular é o oposto desse modelo. Não foi por outro motivo que observadores da própria Comunidade Européia divulgaram nota oficial em que atestam a "importància do referendo no Equador".

O ser humano que nos Estados Unidos começa a viver em barracas (mais de 200 mil já perderam suas casas) e acampamentos na ordem divina de Bush, vira anónimo de si próprio, de seus valores intrínsecos se deixa transformar em robó de uma miragem da ilha do tesouro.

O capitalismo tem em si a capacidade de se regenerar na barbárie. Na estupidez da guerra do Iraque, do Afeganistão, nos golpes de estado contra governos populares e produtos da vontade popular, como tenta agora na Bolívia. Jipes de senhores de terras, bancos e empresas desfilam por Santa Cruz da La Sierra com a suástica pintada em suas portas.

Não é o Estado mínimo. É o Estado privatizado. É diferente.

Um pequeno país, territorialmente, dá uma extraordinária lição de vitalidade e força na luta popular. Na busca de sua real identidade. A vitória do sim e consequente triunfo do governo Corrêa é a reafirmação que chega de neoliberalismo. Chega de tucanos e DEMemocratas, pragas que existem em todo o mundo e se fundamentam nos cassinos da exploração da classe trabalhadora.

Os equatorianos disseram sim à construção de uma identidade latina.

Aqui Miriam Leitão anda em polvorosa tentando explicar que a catedral não ruiu é apenas um abalo, um furacão, mas que tudo voltará ao lugar.

Volta não. O modelo está podre em tudo e por tudo. Só é preciso agora enterrá-lo como fizeram os equatorianos. E isso não passa pelo mundo de gilmar mendes. Nem de Daniel Dantas.

Passa pela percepção que as grandes tacadas criaram uma baita sinuca de bico. As pequenas também.

A lição do Equador lembra um filme sobre um pequeno país que ataca os Estados Unidos e ganha a guerra. Os equatorianos não invadiram país algum, pelo contrário, foram invadidos pelo narcoterrorismo colombiano. Mas ganharam a guerra da independência real.

O nome do filme produzido em 1959 é "The Mouse That Roared", ou "O rato que ruge".


Obs.: Chamar a ditadura que está sendo implantada no Equador como "independência real" é dizer o mesmo das republiquetas dos tiranetes Hugo Chávez e Evo Cocales, onde as liberdades políticas e individuais estão sendo paulatinamente surrupiadas da sociedade. Prova que o autor do texto acima é: 1) bobo; ou 2) embusteiro (F. Maier).


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui