Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46520)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138240)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->01.07.2020 - Ao Poeta Patativa -- 01/07/2020 - 08:27 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

https://www.youtube.com/watch?v=6m_7eKhClKQ

 

Diário da Pandemia

 

Ao Poeta Patativa Que nasceu no Assaré E é uma pessoa cativa Do sertão que dele é De tudo tira poesia Da alegria e da dor E do resto faz folia No seu tom de cantador Eu que não sou poeta Quero aqui lhe exaltar Não em rima seleta Pois o dom vai me faltar É grande o meu esforço Para estas linhas rimar Faço aqui só um esboço Do que eu queria falar Queria que fosse eterno Oh! grande cantador Como sua poesia de servo Neste sertão sofredor Quando um dia você for O Céu será seu barracão E a saudade a dor De todos deste sertão Você não me conhece E não precisa conhecer Pois saiba você merece De todos bom parecer Divulgar este sertão Em seu trabalho concreto Tem sido sua missão Para quem nada é secreto No comitê pro anistia Deu sua grande parcela Pra ver se assim conseguia Um grande Estado sem cela Já disse não sou poeta Por isso vou terminar Mas saiba foi esta a meta Nestas rimas te exaltar

 

Tarciso Coelho, Anos 70.

 

 

“Não nego meu sangue, não nego meu nome, Olho para fome e pergunto: o que há? Eu sou brasileiro fio do Nordeste, Sou Cabra da Peste, sou do Ceará”.

Patativa do Assaré.

 

 

Últimas Notícias: https://www.uol.com.br/

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

 

Caros Amigos,

 

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

Fique á vontade para lê-los ou relê-los no seguinte endereço:

 

www.usinadeletras.com.br

Autores

Letra T

TARCISO COELHO

Contos

 

Obs.: Fico grato pelas visitas, inclusive a outros trabalhos lá publicados, bem como aos comentários que tiverem a bondade de escrever.

 

 

 

Abraços a todos.

 

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 01.07.2020.

 

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 101 vezesFale com o autor