Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50541)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->País dos bacharéis, ou: Abaixo à repressão! -- 04/10/2008 - 10:03 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
País dos bacharéis, ou: "Abaixo à repressão".

por Luciano P. Garrido

O Jornal O Globo on line trás a notícia que de a UFF vai criar o curso de graduação em Segurança Pública. Não vejo muitas razões para comemorar. O Brasil é o país dos bacharéis. Aqui, há pouquíssimos cientistas e tecnólogos. Entretanto, há bacharéis aos montes, que brotam no mercado de trabalho como cogumelos após a chuva.

O Brasil de hoje é igual ao de Lima Barreto há um século atrás. Vivemos aqui como em Bruzundanga. Um sujeito formado em Segurança Pública vai ser a reencarnação do Dr. Rocha, de Triste Fim de Policarpo Quaresma. No provincianismo de antanho, o simples título de bacharel conferia ao sujeito uma autoridade de remover montanhas. Dava opiniões sobre os mais variados temas, e seus "achismos" eram tomados sempre como expressão da suprema sapiência.

Uma graduação em Segurança Pública é o tipo de curso no qual o sujeito aprenderá quase nada sobre quase tudo. Um cadinho de sociologia, de ciência política, de direito, de estatística, de antropologia, de psicologia, e eis aí mais um bacharel! Não será mais necessário recorrer a policiais e bombeiros quando o assunto for segurança pública. Consultar-se-á a figura do bacharel, e pronto, resolvido.

Percebe-se que existe ainda no país uma má vontade histórica em relação às instituições policiais. Há inúmeros preconceitos, dentre eles o pressuposto de que os órgãos de segurança pública são compostos por seres acéfalos, incapazes de abstrair e teorizar sobre seu próprio labor. Em razão disso, quando se fala em segurança pública, recorre-se aos "ólogos" de toda espécie. Ninguém nunca chamou, por exemplo, um policial para compor a banca de doutorado em sociologia. Mas sempre que o tema é polícia, violência, criminalidade, etc, chamam todos os "ólogos" disponíveis no mercado, menos os policiais.

Deixando de lado essas questões graves, o lado mais pitoresco da notícia é que os alunos de ciências humanas e filosofia protestaram contra a criação do curso. Receiam que tal graduação atraia muitos policiais, coisa que lhes desagrada tanto quanto, presume-se, a presença de leprosos. Um dos slogans empunhado pelos alunos era: "A universidade é do povo, polícia não". Mas será que os policiais não são do povo? A turma das ciências sociais já está mostrando que entende da coisa. Outro slogan era: "Abaixo a repressão". Mas... repressão a quê? O que eles temem? Deixo as conclusões para os leitores que conhecem ou já frequentaram um campus universitário. Os que não conhecem, podem clicar aqui.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui