Usina de Letras
Usina de Letras
46 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Os três mosqueteiros e o espadachim bobalhão -- 06/10/2008 - 23:43 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Equador-Brasil

Fontes: Agência Brasil, El Universal, Estadão

O presidente do Equador, Rafael Correa, ameaçou neste sábado, 4, nacionalizar um campo da Petrobras se a empresa brasileira não acelerar a renegociação de seu contrato. "Cuidado! Se demorar demais, nacionalizo esse campo e eles (Petrobras) vão embora do país", pressionou Correa durante o seu programa no rádio. "Aqui, ou se cumprem as exigências do país ou se vão", avisou.

"Hoje, mais do que nunca temos a legitimidade democrática para exigir que essas empresas obedeçam às regras do país", disse. "Senhores das multinacionais petrolíferas, não brinquem com fogo, vocês sabem que eu não brinco", ressaltou.

O líder equatoriano já havia afirmado que se as conversas não avançassem, o campo passaria às mãos da estatal Petroequador. A licença de exploração do local foi concedida à Petrobras em 1995 e o campo encontra-se na região amazónica.

Desde o dia 23, as instalações da Odebrecht no Equador estão ocupadas pelo Exército e dois executivos brasileiros estão impedidos de sair do país. Na última sexta-feira, Correa manifestou o desejo de que a companhia brasileira Norberto Odebrecht "não regresse" ao país e reiterou que, por enquanto, as sanções contra a empresa estão mantidas. Na semana passada, a Odebrecht divulgou nota afirmando estar disposta a atendendo a todas as exigências de Correa.

O Brasil da mãe Joana, não merece respeito: os contratos com as empresas brasileiras são desrespeitados, na Bolívia, no Equador, no Paraguai, e o presidente Lula, fica chamando os outros presidentes de irmãos mais velhos e rebeldes.

Lula, que vive preganado que quer proteger as descobertas do petroleo da Petrobras, precisa deixar que a empresa seja respeitada, e pare de sofrer prejuízos, causados por esses vizinhos prepotenetes e irresponsáveis, senão todo mundo vai se sentir com o direito de gritar e não cumprir o acordado. Se é que ainda tem jeito.


Obs.: Os três mosqueteiros são Hugo Chávez, Evo Cocales e Rafael Correa. O espadachim bobalhão, sempre enganado, é Lula (F. Maier).



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui