Usina de Letras
Usina de Letras
45 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Piloto alemão salvou tripulação americana -- 10/10/2008 - 23:37 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A fidalguia dos pilotos não tem limites.

História muito bacana. Prova de que homens de boa vontade existiam de ambos os lados.

Franz Stigler

Charles "Charlie" Brown

Charles "Charlie" Brown, de 21 anos, era um piloto de Boeing B-17 do 379º Grupo de Bombardeio em Kimbolton, Inglaterra.

Seu B-17 era chamado "Ye Olde Pub" e estava em terrível estado, após ser atingido diversas vezes por flak e caças durante uma missão de bombardeio de uma fábrica em Bremen, na Alemanha, em 20 de dezembro de 1943. A bússola estava quebrada e eles estavam voando para dentro do território alemão ao invés de voltar para Kimbolton. Sete dos seus tripulantes estavam feridos e ele próprio sangrava, com um estilhaço fincado no ombro.

Após voar a baixa altitude sobre um aeródromo inimigo, Charlie Brown disse que seu coração gelou.

Um piloto chamado Franz Stigler tinha sido ordenado a decolar e derrubar o B-17. Quando aproximou-se do quadrimotor, o alemão não póde acreditar em seus olhos. Nas suas palavras, ele "nunca tinha visto uma aeronave em estado tão ruim". Da cauda e da sessão traseira pouco restava, e o artilheiro de cauda estava ferido. O artilheiro de dorso tinha seus restos espalhados pela fuselagem. O nariz estava esmagado, e havia furos por toda parte.

Apesar de ter munição, Franz voou para o lado do B-17 e olhou para Charlie Brown, o piloto. Brown estava aterrorizado e lutando para controlar seu danificado e ensanguentado avião.

Brown disse que notou o caça de Stigler voando ao seu lado: pareceu incrível que aquele B-17 tão danificado permanecesse no ar.

Mas permaneceu, e Brown esperou que assim ficasse até atingir as costas da Inglaterra a 400 quilómetros dali.

Ainda parcialmente inconsciente, o Tenente Brown começou uma lenta subida com somente um motor funcionando a pleno. Com três tripulantes seriamente feridos a bordo, ele rejeitou a alternativa do salto ou pouso forçado. A sua alternativa era a frágil chance de atingir a Inglaterra. Enquanto guiava o agonizante bombardeiro de volta para casa, Brown olhou para a janela direita e viu o Me 109 voando junto à sua asa.

Ciente de que os americanos não tinham idéia de onde estavam indo, Franz balançou as asas para Charlie, indicando que virasse 180 graus. Franz escoltou e guiou o bombardeiro ferido até sobre o Mar do Norte na direção da Inglaterra. Então ele saudou Charlie Brown e fez a volta, de volta ao continente.

Quando Franz pousou, ele disse ao seu comandante que tinha derrubado o avião sobre o mar, e nunca disse a verdade a ninguém. Charlie Brown e seus colegas disseram toda a verdade no relatório, mas receberam ordens de não comentar o incidente com ninguém.

Mais de 40 anos depois, Charlie Brown queria encontrar o piloto da Luftwaffe que tinha salvado sua tripulação. Franz nunca falou sobre o incidente, nem mesmo em reuniões no pós-guerra.

Eles se encontraram numa reunião do 379º Grupo nos EUA em 1989, junto com outros cinco tripulantes do B-17 - tudo porque Franz não disparou suas armas naquele dia.
Após a guerra, Brown permaneceu na Força Aérea, servindo em diversos postos até aposentar-se em 1972 como Tenente-Coronel e mudar-se para Miami como gerente de uma empresa de pesquisa de combustíveis. Mas o episódio do alemão que recusou-se a atacar um adversário ferido o perseguia. Ele estava determinado a encontrar o piloto inimigo que tinha poupado sua tripulação.

Ele escreveu numerosas cartas para fontes militares alemãs, com pouco sucesso. Finalmente, uma nota num jornal de ex-pilotos da Luftwaffe exibiu uma resposta de Franz Stigler, um ás de 28 vitórias aéreas. Ele, descobriu-se, foi o anjo misericordioso nos céus da Alemanha naquele fatídico dia antes do natal de 1943.

Levou 46 anos, mas em 1989 Brown encontrou o misterioso homem do Me 109. Questionando cuidadosamente Stigler sobre detalhes, não restou dúvida sobre sua identidade.

Stigler, após a guerra, emigrara para o Canadá e vivia perto de Vancouver, na Columbia Britànica. Após uma troca de cartas, Brown voou para lá para uma reunião. "Quase quebrou minhas costelas, ele me deu um grande abraço de urso", disse Brown.
Os dois homens se visitaram com frequência desde aquele dia, e apareceram juntos em eventos militares nos EUA e Canadá.

No Air Force Ball de Miami em 1995, os dois receberam honrarias.

Na primeira carta para Brown, Stigler escreveu: "Após todos esses anos, imagino o que aconteceu com o B-17, ele sobreviveu?"

Sobreviveu, por pouco. Mas por que o alemão não destruiu sua presa, virtualmente indefesa?

"Não tive coração para aniquilar aqueles bravos homens", disse Stigler. "Voei ao lado deles por um longo tempo. Eles tentavam desesperadamente voltar para casa, e eu ia permitir que o fizessem. Eu não podia ter atirado neles. Seria a mesma coisa que atirar num homem num pára-quedas".

Franz Stigler faleceu no dia 22 de março de 2008, aos 92 anos de idade.

Fonte: Pat Dollard, 28 de maio de 2008.

Franz Stigler, Sir Ernie Boyette e Charles Brown, com um quadro do B-17 "Ye Olde Pub".

(Texto copiado do Blog-Sala de guerra)


Samuel Facchin
Engenheiro Químico
CREA-RS 120.041


Obs.: Confira fotos em http://www.usinadaspalavras.com/ler.php?txt_id=76472


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui