Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
36 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->18.07.2020 - Filosofia de Barzinho -- 18/07/2020 - 22:51 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

https://www.youtube.com/watch?v=SUQTg-l9otU

 

Diário da Pandemia

 

Filosofia de Barzinho

 

Uma hora de barzinho vale mais que várias sessões de psicanalise. A psicologia já disse que as esposas precisam permitir aos maridos a ida aos barzinhos com amigos, pelo menos, duas vezes por semana.

Um dia, estávamos no Bar do Papagaio, em Soure, Ilha do Marajó (PA), eu e Marcelo do Basa com Seu Milton e João Broa da Embrapa. Em meio ao fluido bate papo Seu Milton falou da recente comemoração dos seus cinquenta anos de casado com Dona Maria, assegurando que se ficasse viúvo e pudesse, casaria novamente com a mesma Dona Maria. Todos os presentes demonstraram admiração por tão forte declaração de amor e fidelidade.

Após pequena pausa de silenciosa meditação, o João Broa quebrou o silêncio dizendo: “Nada é mais belo que o verdadeiro amor; mas se eu pudesse casar de novo, não casaria com nenhuma das três que já me separei; casaria com a Cláudia Raia”.  Riso geral!

 

 

João Broa e Cláudia Raia

 

Gosto de tomar umas Na hora que estou à toa E pra bater um bom papo Encontrei pessoa boa Lá no bar do Papagaio Estava o amigo João Broa Ao lado de sua pessoa Só posso me alegrar Ele conta umas histórias Que é pra rir, não pra chorar Acredite que ele disse Que com a Cláudia vai casar Se é sorte ou se é azar O casamento não sei Só sei que o João Broa Parece até que é rei Pra querer a Cláudia Raia Como pode um cabra feio? Mas digo sem ter receio E sem medo de errar Se ganhar na mega sena Pra mulher ele bancar Pode até ser que um dia Venha com a Cláudia casar. Tarciso Coelho, Soure (PA), 18/03/2008

 

 

Últimas Notícias: https://www.uol.com.br/

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

 

Caros Amigos,

 

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

 

Para lê-los ou relê-los clique: https://bit.ly/tarcisocoelho

 

 

 

Obs.: Fico grato pelas visitas, inclusive a outros trabalhos lá publicados, bem como aos comentários que tiverem a bondade de escrever.

 

 

 

Abraços a todos.

 

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 18.07.2020.

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 72 vezesFale com o autor