Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
140 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59109 )

Cartas ( 21236)

Contos (13108)

Cordel (10292)

Crônicas (22195)

Discursos (3164)

Ensaios - (9435)

Erótico (13481)

Frases (46496)

Humor (19274)

Infantil (4456)

Infanto Juvenil (3718)

Letras de Música (5478)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138219)

Redação (3051)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5519)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->19.07.2020 - Inácio da Catingueira -- 18/07/2020 - 23:14 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

https://www.youtube.com/watch?v=kBIwIvzFlpM

 

Diário da Pandemia

 

Inácio da Catingueira

 

Inácio da Catingueira (31 de julho de 1845 – 1878/1879) foi um escravo, poeta, cantador e repentista brasileiro.

Analfabeto e de pai desconhecido, sequer tinha sobrenome e, por isso, ficou conhecido como Inácio da Catingueira por ter nascido e crescido, escravizado, em CatingueiraParaíba.

Morte

Inácio veio a falecer em decorrência de uma pneumonia, em consequência de trabalhos no campo, com pouco mais de trinta e três anos de idade. Seu corpo não foi sepultado na fazenda, como de praxe faziam com os escravos. Repousa em uma praça, no centro da cidade, a qual leva o seu nome, tendo, inclusive, uma estátua em sua homenagem.

 

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/In%C3%A1cio_da_Catingueira#:~:text=In%C3%A1cio%20da%20Catingueira%20(31%20de,escravizado%2C%20em%20Catingueira%2C%20Para%C3%ADba.

 

 

Por que matar ou morrer?

 

Quarenta e nove anos

de boa vida completei

os cabelos brancos

que do tempo ganhei

para mim são um troféu

das batalhas que travei

 

só lutei pelo amor

porque matar ou morrer?

se na vida o vigor

fazemos por merecer

em batalha sangrenta

não devemos perecer

 

em toda causa justa

quero e vou participar

pois isto não assusta

a quem quer batalhar

tendo consigo a nobreza

de não morrer ou matar

 

para o mundo melhorar

terei o grande prazer

de sempre participar

devendo a todos dizer

que a causa para ser justa

não deve matar ou morrer

 

Tarciso Coelho, 31.12.2002

 

 

Últimas Notícias: https://www.uol.com.br/

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

 

Caros Amigos,

 

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

 

Para lê-los ou relê-los clique: https://bit.ly/tarcisocoelho

 

 

 

Obs.: Fico grato pelas visitas, inclusive a outros trabalhos lá publicados, bem como aos comentários que tiverem a bondade de escrever.

 

 

 

Abraços a todos.

 

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 19.07.2020.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 71 vezesFale com o autor