Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
43 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59138 )

Cartas ( 21236)

Contos (13105)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46521)

Humor (19282)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3730)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138242)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5526)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Contos-->22.07.2020 - Fé, Religião e Espiritualidade: -- 21/07/2020 - 17:52 (TARCISO COELHO) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

https://youtu.be/iH0ZhDH2j3U

 

Diário da Pandemia

 

Fé, Religião e Espiritualidade:

“Deus, para felicidade do homem inventou a fé e o amor, o diabo invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento”. (Machado de Assis).

“A espiritualidade pode ser definida como uma "propensão humana a buscar significado para a vida por meio de conceitos que transcendem o tangível, à procura de um sentido de conexão com algo maior que si próprio". A espiritualidade pode ou não estar ligada a uma vivência religiosa”. Wikipédia

 

Fontes de Vida

 

A nossa percepção,

Juízo e inteligência,

É o que nos conduz

E tem o nome de luz...

 

A adesão e anuência a Deus,

Seus desígnios e manifestações,

É o que a vida requer

E tem o nome de fé...

 

A ausência de conflitos íntimos,

Tranquilidade d’alma e sossego,

É o que a todos apraz

E tem o nome de paz...

 

A confiança em conseguir,

Aquilo que se deseja,

É o que trará a bonança

E tem o nome de esperança...

 

Tarciso, 2002

-x-x-x-x-x-x-

A esperança não é a última que morre, é sim; aquela que sobrevive além da nossa morte (Sampson).

-x-x-x-x-x-x-

 

 

 

Últimas Notícias: https://www.uol.com.br/

 

 

Diário da Pandemia

 

 

O Diário da Pandemia

Que inventei de escrever

Jamais teve a intenção

Que não só o meu querer

De o dia a dia registrar

Pra no futuro lembrar

O que estamos a viver

 

 

Mas é preciso dizer

Aqui não vou divulgar

Notícias de tristeza

Já que quero me alegrar

E se esse meu escrever

Nem pouco alegrar você

Mal também não lhe fará.

 

 

Caros Amigos,

 

 

A partir de 22.03.2020, passei a publicar versos meus em outras situações, retornando ao assunto em pauta apenas eventualmente.

 

 

Para lê-los ou relê-los clique: https://bit.ly/tarcisocoelho

 

 

 

Obs.: Fico grato pelas visitas, inclusive a outros trabalhos lá publicados, bem como aos comentários que tiverem a bondade de escrever.

 

 

 

Abraços a todos.

 

 

Tarciso Coelho, Crato (CE), 22.07.2020.

 

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 6Exibido 67 vezesFale com o autor