Usina de Letras
Usina de Letras
39 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50541)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Diplomacia da inconsequência -- 29/10/2008 - 15:33 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
ESTADÃO DE HOJE, 29 OUT 2008

Opinião

Diplomacia da inconsequência

A idéia de propor à ONU uma reunião de chefes de governo para discutir punições para os especuladores foi a única surpresa na conferência de ministros e presidentes de bancos centrais de 12 países sul-americanos, em Brasília, na última segunda-feira. Foi uma surpresa não por ser uma tolice, algo normalíssimo nesses encontros, mas porque é difícil prever até onde pode chegar o desvario de certos políticos da região. A sugestão foi apresentada - como não podia deixar de ser - pelo ministro de Finanças da Venezuela, Alí Rodríguez, e mencionada em linguagem vaga no comunicado final - um conjunto de dez parágrafos notavelmente fiéis à irrelevància do encontro.

Para o Brasil, essa reunião no Itamaraty só poderia ter, objetivamente, duas serventias. Os ministros da Fazenda e do Exterior poderiam combinar medidas contra uma invasão de produtos chineses, desviados de grandes mercados em recessão, e comprometer-se a não tomar novas medidas protecionistas contra os parceiros sul-americanos. As duas decisões pareciam altamente improváveis desde a proposta do encontro.

Nenhum dos dois pontos foi acertado. O ministro de Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana, defendeu a elevação da Tarifa Externa Comum (TEC) do Mercosul para têxteis, móveis e produtos de couro. Mas nada foi combinado entre os 12 governos da região e esse detalhe nem consta do comunicado final. Além disso, Taiana reafirmou a disposição de seu governo de ampliar as barreiras contra produtos brasileiros. Ele cobrou do Brasil a regulamentação do Acordo de Adaptação Competitiva, uma aberração acordada em 2006 pelos governos dos dois países.

Segundo os ministros, "o comércio regional é um património valioso para todos os países da região", informa o comunicado. Mas em seguida vem a ressalva: "Não obstante, coincidiram na conveniência de realizar um monitoramento dos possíveis impactos da crise tanto nos mercados financeiros locais como nos níveis de produção e emprego." Em outras palavras: todos se reservam o direito de criar ou elevar barreiras comerciais contra os parceiros sul-americanos segundo as conveniências do momento.

Falou-se também vagamente sobre o uso de moedas nacionais no comércio entre todos os países da região, segundo o modelo já adotado oficialmente no intercàmbio Brasil-Argentina. A idéia pode ter alguma utilidade, mas com certeza muito limitada para os países de comércio mais diversificado - caso do próprio Brasil. A maior parte das importações brasileiras é originária de fora da América do Sul e o País precisa de dólares para sustentar esse comércio.

A maior parte da reunião foi dedicada principalmente à repetição da retórica sul-americana de integração regional. Voltou-se a falar da integração financeira e alguns ministros insistiram na ativação, no menor prazo possível, do Banco do Sul, "com vistas ao desenvolvimento mais harmónico, equitativo e integral da América do Sul". Como de hábito, os ministros da Venezuela e da Bolívia foram os que mais se empenharam na defesa desse objetivo. O Banco do Sul foi proposto inicialmente pelo presidente Hugo Chávez, da Venezuela, com apoio imediato do colega argentino Néstor Kirchner. O governo brasileiro resistiu à idéia no começo, mas acabou aderindo oficialmente. As discussões para formação do banco têm progredido com muita lentidão. Para o Brasil, não há interesse objetivo na constituição do Banco do Sul, mas o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva nunca se dispós a liquidar o assunto.

Sem competir com a proposta venezuelana de buscar punição para os especuladores internacionais, o governo brasileiro aproveitou a conferência para uma sugestão bem mais modesta, mas igualmente inócua: convocar o Conselho Económico e Social das Nações Unidas (Ecosoc) para um debate sobre a reforma do sistema financeiro internacional.

Essa proposta não tem o mínimo sentido prático. Uma reunião do Ecosoc, mesmo em nível ministerial, não produziria mais que discursos típicos de assembléias estudantis. Foros muito mais consequentes, como o Grupo dos 8, o Grupo dos 20 e o Fundo Monetário Internacional, já incluíram o tema na agenda. Se alguma inovação importante ocorrer, será a partir desse esforço. Depois de quase seis anos de governo, Lula deveria saber disso.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui