Usina de Letras
Usina de Letras
23 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62388 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50775)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140866)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Concessivo Concesso...? -- 07/08/2020 - 20:39 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

O que Concesso não contou


Na história de tia Rita e sua pia, que inseri neste Recanto há alguns anos, e que abaixo transcrevo, para o melhor entendimento do eventual leitor, todo o relato se resume à troca da pia que tia Rita havia recém-instalado, em razão de haver flagrado numa manhanzinha, o primo visitante Concesso, de Santana da Prata, a escovar beatificamente os dentes - ou melhor, suas próteses dentárias - na referida pia...

Tia Rita, que se aprontava para preparar o desjejum, ao se deparar com a cena inusitada, passou do pálido que era à translucência,  apenas saudou o primo com um engasgo e lhe faltou muito pouco para, já havendo engolido seco, ver as próprias dentaduras irem goela abaixo...

O impávido Concesso, contudo, não se deu por achado e tampouco desconfiou da delicadeza da situação que havia criado. Uma pia, lisinha como aquela, com água corrente, era o supra-sumo do conforto e da realização do homem na terra. Homem bom, trabalhador e honesto, só o pudor foi que o conteve de revelar à atenciosa prima Rita que antes de sua chegada à cozinha, havia usado o tamborete  para ganhar altura suficiente e poder desafogar a bexiga... Temeu que ela o reprovasse pela arte que para um sexagenário implicava em risco de queda...





A tia e a pia

Tia Rita estava toda contente com as reformas da casa, que ia fazendo paulatinamente, com a ajuda das irmãs solteironas. A mais recente aquisição era a pia da cozinha, lisinha, de cimento, um portento.

O asseio, que era a regra na casa, angular esteio, ganhou realce com aquele brilho, que a todos os parentes e visitantes Tia Rita fazia questão de apresentar e de ver aprovar.

Quando chegou de visita, bem rara que fazia, o primo Concesso, confesso, não foi poupado daquela primazia. Concesso, que vinha da Pedra do Indiá,  trazia consigo a irmã Dica, viera à Velha Serrana para uma breve estada, e rever toda a parentada.

Tudo bem transcorria, em meio a tanta mútua cortesia, até que um dia, quando bem cedo se levantara Rita para passar o café e, na cozinha, foi topar com o primo, em pleno uso daquele mimo: escovava a dentadura, com toda a candura, sobre a pia da Tia, aquela belezura...

Tia Rita, com tanto nojo no bojo, por polidez, lívida tez, nada fez. Mas foi como uma súbita viuvez. Esperou o primo embarcar no trem, e mais que urgente, fremente, em nenhum momento hesitou: a pia por outra nova trocou. E estou que rezou, para que o primo não mais voltasse. Graça que alcançou.
Paulo Miranda
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 446 vezesFale com o autor