Usina de Letras
Usina de Letras
37 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A nova empreitada de Renan e Sarney -- 08/11/2008 - 12:42 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
03/11/2008 às 11:20:00h

A nova empreitada de Renan e Sarney

Por Chico Bruno

http://www.prosaepolitica.com.br/

Para entender o que se passa entre os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e José Sarney (PMDB-AP) é preciso retroceder a janeiro de 2003, quando ambos disputavam a cadeira de presidente do Senado. A solução encontrada pelo xerife do governo Lula, à época, José Dirceu, foi celebrar um acordo de cavalheiros. Sarney presidiria o Senado nos dois primeiros anos da (primeira) era Lula e Calheiros os dois últimos.

Feito o acordo, nenhum devia nada ao outro. Até que em dezembro de 2005, o senador José Sarney necessitou dos préstimos de Renan, que ocupava a cadeira de presidente do Senado. Era um favorzinho besta, dar velocidade a perda do mandato do senador João Capiberibe, que tinha tido a ousadia de sair em socorro do governador do Maranhão, José Reinaldo, para que o Senado aprovasse um empréstimo engavetado por Sarney, quando presidente no biênio 2003/2004.

Pensando no futuro, Renan aquiesceu ao pedido de Sarney. Em velocidade de fórmula Um, o alagoano atendeu a risca a solicitação. Capiberibe foi sumariamente expurgado da Casa, apesar dos protestos de mais de cinco dezenas de senadores, que queriam dar o direito de defesa, ao senador do Amapá, compatível com as desconfianças do ato perpetrado no STF, pois o presidente Nelson Jobim votou contra o réu para desempatar a questão, quebrando uma norma secular.

Posto isso, está claro que Sarney ficou devendo uma a Calheiros. Ao surgir o Caso Mónica, o senador alagoano bateu a porta da mansão do maranhense e apresentou a fatura. Era chegada a hora do pagamento.

Sarney pagou a fatura, ajudando Renan a escapar da cassação do mandato. Claro que foi uma operação difícil, que requereu convencer o Planalto e o PT da necessidade de manter Renan no Senado.

Em sessão secreta, facilitadora do cumprimento da absolvição, Renan e Sarney ficaram quites. Um não devia mais nada ao outro. Eles zeraram o jogo novamente.

Agora, com a vitória do PMDB nas eleições municipais, os dois estão juntos na empreitada de aumentar suas participações pessoais no governo Lula, preferencialmente abocanhando a Infraero e o ministério da Justiça, numa operação que passa pelo deslocamento de Jobim das Selvas para o lugar de Tarso e a colocação de Aldo Rebelo, amigo-irmão de Renan, no lugar de Jobim das Selvas.

Um plano engenhoso, no qual a eleição para a presidência do Senado é apenas pano de fundo para as pretensões de Renan e Sarney.

Se o plano vingar, Tião Viana presidirá o Senado. Lula cumprirá a promessa feita a Jorge Viana em troca do pagamento de mais uma fatura a Renan e Sarney.


Editado por Adriana Vandoni


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui