Usina de Letras
Usina de Letras
238 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A crise que ninguém vê -- 15/11/2008 - 18:32 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A Crise que Ninguém Vê

Análise escrita por Cezar Cauduro Roedel, em 13/11/2008.

http://www.if.org.br/analise.php

Volatilidade cambial, queda das bolsas, febres especulativas, inflação, retração de crédito, entre outros reflexos, já são observados e projetados como resultado de uma crise financeira sistêmica originada nos Estados Unidos da América.

Todavia devemos observar com olhos vigilantes a pior sequela que esta crise está trazendo, uma onda de estatismo generalizada e apoiada por milhares de indivíduos que acreditam que o governo resolverá os reflexos negativos de uma crise que ele mesmo criou, (ver JC 23 setembro - pág. 4 - Falha de mercado ou falha de Governo?)

A todo o momento somos bombardeados com informações sobre os reflexos da crise financeira e o importante papel da intervenção estatal neste contexto. Sejam os pacotes de salvamento do governo americano, europeu, até a MP 443 do governo Lula, que permite que o Banco do Brasil e a Caixa Federal estatizem bancos em difíceis situações financeiras e ainda possibilita interferências no mercado segurador e previdenciário além do ramo da construção.

Como disse o economista Roberto Campos, "os sobreviventes do naufrágio das esquerdas mundiais procuram hoje, por toda a parte, alguma saída para seu universo ideológico desarvorado." O nobre economista não pode vivenciar fisicamente a resposta, pois os estatólatras realmente acharam uma saída, visível a todos nós.

Os jornais, analistas, economistas, noticiários, parecem nada se preocupar com a intervenção do Estado nas economias, realmente a propaganda estatista está sendo bem feita e os incautos já baixam suas cabecinhas ao grandioso sábio de todos os tempos, o único capaz de resolver os nossos problemas, o Estado.

Estamos no começo de uma crise, uma crise que colocará o Estado no céu e o mercado no inferno. Os papéis estão invertidos e os analistas prosseguem com suas análises profundas que lhes tapam os olhos de uma crise muito pior. O Estado está ganhando a chancela para intervir cada vez mais.

Quando todos perceberem, será tarde demais. A pior crise é aquela que ninguém vê.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui