Usina de Letras
Usina de Letras
250 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O ataque dos corvos -- 18/11/2008 - 11:18 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
"Não existe uma escolha entre inflação e desemprego pela mesma razão que não se pode escolher entre comer demais e ter indigestão" (F.A. Hayek)

"Imprimir ordem na desordem consiste, precisamente, na realização adequada do Bem, que é medida suprema de todas as coisas" (Giovanni Reale)


O ATAQUE DOS CORVOS

Ubiratan Iorio (*)

17/11/2008

Com a crise, eles estão de volta, mais audaciosos do que nunca. Dormitavam há décadas, recolhidos nas longínquas montanhas do esquecimento provocado pelo fracasso de suas idéias em todo o mundo, mas agora tentam alçar vóo e põem-se a crocitar: "os mercados não funcionam, o neoliberalismo do Consenso de Washington arruinou-se, os governos precisam intervir, os bancos centrais devem inundar as economias de crédito a juros artificialmente baixos, os gastos do governo devem aumentar para "socorrer" setores em dificuldades, a regulação precisa ser (ainda) mais forte" e outras tolices, sandices, keynesianices e manifestações de esquerdopatia crónica.

Seu grasnido áspero e desagradável, evidentemente, encontra eco na mídia esquerdista que domina os meios de comunicação mundiais e em ONGs inimigas da economia de mercado, como a ONU, o FMI (quem diria?), o Banco Mundial, as universidades e academias. Um exemplo evidente é a recente concessão do Nobel de Economia a Paul Krugman, um sujeito que escreveu um livro-texto de Economia Internacional que obteve muito sucesso dentro dos padrões keynesianos convencionais, mas que, a partir de então, se transformou em um mero ativista político de esquerda, um liberal na acepção norte-americana, algo como um Harlem Globetrotter da economia.

Com platéia garantida, o homem anda assanhado que só ele: recentemente, propós aumentos nos gastos públicos como forma de "resolver" a crise, ignorando completamente que uma das causas do problema é exatamente o alto déficit do governo dos Estados Unidos, ao lado do regime monetário expansionista que Paul Volcker adotou no passado.

No Brasil, o corvejamento pode ser ouvido em todos os cantos, especialmente na Unicamp, no BNDES, no agora petetizado IPEA e em pronunciamentos de assessores diretos do presidente do país e de acólitos do ministro da Fazenda, além, evidentemente, de poder ser continuamente escutado, assistido e lido na quase totalidade dos comentários feitos no rádio, na TV e nos jornais por miríades de pretensos doutos, todos passeriformes da família corvídea, que conta, entre outros exemplares, com economistas, sociólogos, cientistas políticos, filósofos, políticos, escritores, ativistas de todos os matizes e jornalistas.

Como escreveu Nivaldo Cordeiro - um dos poucos economistas brasileiros que se recusam a aceitar o estatismo dominante - em seu blog, "há um consenso entre eles de que, para a humanidade se livrar da crise gerada pelo ogro estatal, é preciso alimentá-lo mais e mais, a ponto de transformá-lo no Tiranossauro Rex do pesadelo de todos os homens livres".

De minha parte, vou continuar dizendo a verdade, não porque me julgue o seu dono, mas porque exerci minha condição humana e aprendi com a História, coisa que os corvos se recusam terminantemente a fazer, embora usem uma "história" bastante peculiar, que só eles enxergam, como um pretenso argumento.

No que diz respeito aos economistas, o perigo não está em Lord Keynes - que confessou a Hayek, poucos meses antes de falecer, não acreditar mais nas idéias que defendeu na Teoria Geral -, mas nos keynesianos, que insistem em ser mais realistas do que seu próprio "rei".

Se o keynesianismo da Teoria Geral foi um erro (segundo o próprio Keynes), o que dizer do neokeynesianismo, do pós-keynesianismo e do novo keynesianismo, a não ser que são a insistência, a persistência e a renitência no erro?

Gente, o que o mundo está precisando é de menos Estado! Permitir que a cegueira ideológica sobreponha-se aos fatos históricos, sinceramente, é demonstração de parvoíce!


(*) Ubiratan Iorio é professor de Economia da UERJ.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui