Usina de Letras
Usina de Letras
9 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Maioridade -- 20/11/2008 - 15:47 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Maioridade

Maílson da Nóbrega

Revista Veja

"Fomos salvos pela excepcional intuição do
presidente Lula e graças aos conselhos de
pessoas sensatas como Palocci e Meirelles"

O swap (troca) de moeda entre o Federal Reserve e o Banco Central (BC) foi pleno de efeitos simbólicos para o Brasil. Pelo acordo, o Fed disponibilizou 30 bilhões de dólares para o BC, o qual fez o mesmo para o Fed, por valor equivalente em reais. Pagaremos juros se sacarmos os dólares. A operação é igual às que fizemos com o FMI, quando havia swap de direitos especiais de saque - DES (a moeda do fundo) por moeda nacional.

Há, todavia, três grandes diferenças. Primeira: a operação com o Fundo Monetário Internacional (FMI) acontecia em meio a uma crise cambial. Era preciso sacar imediatamente os DES. Agora, é preventiva. O BC não vai utilizar os dólares, a não ser que as reservas internacionais se esgotem, o que é pouco provável.

Segunda diferença: no acordo com o FMI havia condicionalidades. Agora não. Antes, existiam crise externa e queda de fluxos do exterior (como hoje), mas o problema era agravado pelos desequilíbrios internos: inflação alta e déficits excessivos (público e externo). Por isso, nós nos comprometíamos a reduzi-los, preservar certo nível de reservas internacionais e conter o endividamento externo. Era um ajuste necessário.

O FMI fornecia recursos para a travessia da tormenta. Nós prometíamos medidas para adaptar a economia e assim voltar rapidamente à normalidade após a tempestade. O fundo averiguava a cada três meses o cumprimento das promessas. Suas visitas eram demonizadas. O FMI estaria mandando no país (uma tolice).

A terceira diferença é a mais relevante: o swap com o Fed dependeu apenas da confiança no Brasil. No comunicado de 29 de outubro, ele diz que as operações visaram a "evitar que se propague a dificuldade de obter recursos em dólares em economias fundamentalmente saudáveis e bem geridas". Foi um atestado inequívoco de nossa maioridade macroeconómica.

Além da confiança no Brasil, o swap mostrou que temos importància para a estabilidade mundial. Por que o Fed elegeu apenas dois países da América Latina para fazer a operação, nós e o México? Resposta: porque são os únicos que reúnem dimensão económica e capacidade de ajustar-se antes que se formem graves desequilíbrios. Colhemos os frutos das mudanças iniciadas no fim do período militar, quando um amplo estudo evidenciou o atraso institucional nas finanças federais e na política monetária.

As medidas então propostas foram adotadas no governo Sarney. Uma revolução. O BC perdeu funções impróprias (como a de financiar a agroindústria) e virou autoridade monetária clássica e crível. Surgiu a Secretaria do Tesouro Nacional para assumir funções que lhe cabiam, mas eram executadas pelo BC e pelo Banco do Brasil. A "conta de movimento" do BB e o Orçamento Monetário foram extintos. O poder de autorizar o endividamento público federal passou do Conselho Monetário para o Congresso.

No governo Collor, a abertura da economia se acelerou; no de Itamar, veio o Plano Real. O período FHC foi rico em novas mudanças: saneamento do sistema financeiro (Proer), Lei de Responsabilidade Fiscal, Comitê de Política Monetária (Copom), càmbio flutuante, metas de inflação e superávits primários. A política económica modernizou-se.

O PT se opós a tudo isso. Mudar a política económica era sua obsessão. O título de seu programa de governo nas eleições de 2002 era inequívoco: "A ruptura necessária". Incorporava erros grosseiros de diagnóstico, dirigismo económico infantil, reavaliação e revisão da privatização, corte voluntarista nos juros, controle de capitais e denúncia do acordo com o FMI. Propunha até um cartel internacional contra os credores externos. Daí por que os mercados azedaram quando perceberam que Lula poderia ser eleito.

Felizmente, Lula manteve e reforçou a política económica (para horror dos petistas e dos que até hoje professam as mesmas idéias). Fomos salvos pela excepcional intuição do presidente e graças aos conselhos de pessoas sensatas como Antonio Palocci e Henrique Meirelles. O Brasil póde se beneficiar da prosperidade mundial do período 2003-2007. O acúmulo de reservas internacionais permitiu antecipar o término do acordo com o FMI, como ocorreu em muitos outros países.

Lula tem reivindicado as glórias dessas realizações. Nunca antes teria havido nada igual. Dá a entender que o pagamento antecipado ao FMI foi um fato isolado e uma decisão pessoal. Coisas da política. Mesmo assim, cabe reconhecer sua coragem em jogar no lixo o programa do PT e outras más idéias sobre a política económica. Sem isso, em vez do swap com o Fed estaríamos nos preparando para pedir ajuda ao FMI. Mudamos de patamar.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui