Usina de Letras
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59656 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19423)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138764)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Infanto_Juvenil-->REVELAÇÕES - PARTE XIV -- 19/10/2005 - 13:02 (Angellus Domini) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
PARTE XIV


Sangue. Muito sangue. Suas mãos, seu rosto, seu cabelo, suas roupas. Repletas de sangue. Sangue humano.

Mas onde ela estava agora? Teria valido a pena? Ela a resgatara, mas ela fugiu, fugiu dele. Com medo. E tinha razão em ter medo.

Pedro vagueia sem rumo, está confuso, mas ao mesmo tempo saciado. Matar lhe fizera bem. Ele queira ter arrancado a cabeça do monge com o grande anel vermelho. Mas Tatyana o deteve.

Quando saíram do imenso mosteiro, ela apenas lhe deu um beijo e fugiu dele. Ele não tinha forças para ir atrás dela. Estava muito sujo de sangue.

Ele espreitou um passante, e o nocauteou. Ele era um pouco maior que Pedro, mas suas roupas iam servir-lhe. Limpou-se no rio, ficou olhando o sangue se dissolver nas águas claras à luz da lua. Vestiu-se com as vestes roubadas. Tinha agora que procurar Tatyana.


Tatyana não tinha certeza de onde poderia ir. Não conhecia ninguém, além das irmãs da sua ex-congregação. Na porta do convento ela disse apenas uma coisa: Леонид.
Não lhe perguntaram nada. A porta foi aberta, ela levada a um quarto onde podia se banhar e descansar. Ela não sabia o que fazer, estava abandonada. Leonjd poderia estar morto. Todos poderiam estar mortos.

Era estranho para ela voltar a rotina conventual. Depois que abandonara o seu convento em Alba Iulia, não estava mais acostumada as duras rotinas monástica. Mas não era questionada em nada. O silêncio predominava entre as monjas. Ate que a superiora se dirige à ela, e diz também apenas uma palavra: Леонид!







Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui