Usina de Letras
Usina de Letras
56 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60373 )

Cartas ( 21289)

Contos (13387)

Cordel (10358)

Cronicas (22278)

Discursos (3194)

Ensaios - (9718)

Erótico (13520)

Frases (48265)

Humor (19557)

Infantil (4831)

Infanto Juvenil (4183)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1345)

Poesias (139381)

Redação (3120)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2438)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5813)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Seria doce morrer no mar? -- 05/12/2008 - 20:49 (Adriana Luz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

*
*

Enquanto ela comia o arroz salgado que ela mesma preparara, uma imagem lhe veio à lembrança: sua descoberta de mar... aos nove anos...

E pós-se a questionar se descobrir o mar seria necessariamente quando se via o mar pela primeira vez... ou quando a pessoa se dava conta de que não poderia mais viver sem ele (o mar)... e que toda aquela imensidão sempre fizera parte do próprio corpo, como uma extensão de um braço que quer arrebanhar o mundo.. ou de uma perna que quer estar em todos lugares ao mesmo tempo...

E isto não lhe acontecera aos nove anos...

A sua descoberta de mar se dera não sabia quando... ou melhor, se dera num momento exato, se é que há exatidão em algo que está apenas começando a conhecer...Mas de qualquer forma, a sua descoberta de mar fora doce... tão doce, que aquele sal que amargara em sua boca, ressecando as suas crenças, nem se fizera presente... E se fizera, ela nem havia tomado consciência...

O mar era o que lhe importava. O mar era o que queria. E o mar era o que teria.

Sim. O mar. O azul. A imensidão.

Só não sabia (ou não queria saber) que o mar não poderia ter dono. Muito menos o azul que suas vistas nem alcançavam...

Pior ainda, a imensidão... Esta sim - tivera certeza depois... - jamais poderia ser sua...

E, então, o sal apareceu de novo...

Como ele era forte! E como ele lhe trazia à realidade!

Precisava de sal para viver?

Ela gostava de sal. E às vezes sentia muito a sua falta.

Mas quando pensava que, para ter o sal, teria de escolher entre o viver... e o morrer no mar, sentia medo...

E, enquanto flutuava, só pensava em como desejara que Caymmi estivesse certo...


Ah... Como deveria ser doce morrer no mar...


(Adriana Luz - 11 de março de 2008)

*
*




Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui