Usina de Letras
Usina de Letras
206 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50554)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140785)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6176)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O petróleo ainda é nosso? -- 19/12/2008 - 23:57 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Comentário do dia 18.12.08

O petróleo ainda é nosso?

ROBERTO FENDT*

Curiosa situação: de um lado, julgávamos desde os tempos da fundação da Petrobras na década de 1950, que o petróleo era nosso. De outro, alguns grupos de arruaceiros contestam essa percepção e pretendem impedir a exploração de um recurso que julgávamos nosso.

Começa hoje a 10ª Rodada de Licitações da Agência Nacional do Petróleo. Espera-se a participação de 18 empresas estrangeiras e 30 grupos nacionais na licitação de 130 blocos terrestres, em sete bacias sedimentares. Junto com representantes dessas empresas também estão "participando" da licitação sindicalistas, membros do MST e da Via Campesina.

Os membros da Via Campesina são conhecidos. São basicamente destruidores e inimigos da ciência e do progresso: destruíram as sementeiras da Aracruz no Rio Grande do Sul, pondo a perder vinte anos de pesquisas com espécies adaptadas ao Rio Grande. O MST é por demais visível para necessitar que se lembrem seus objetivos: pretendem simplesmente abolir a propriedade privada no campo brasileiro. Seus métodos são o do terror.

Desconheço o que levou sindicalistas a acompanhar esses dois grupos terroristas na invasão da Petrobras. Afinal, o governo federal é um governo de sindicalistas e deveria haver diálogo entre eles. Como dizia Glauber Rocha, "não me peçam coerência, meu processo é dialético".

O que todos eles têm em comum é o fato de serem sustentados por ONGs custeadas com recursos dos contribuintes. E todo esse povo, depois de tumultuar a superfície de nosso país, pretende agora manter para sempre o petróleo debaixo da terra. É de dar inveja, no atraso, aos talibãs do Afeganistão.

*VICE-PRESIDENTE DO INSTITUTO LIBERAL


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui