Usina de Letras
Usina de Letras
12 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62388 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50775)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140866)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Cão falante -- 23/11/2020 - 02:53 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 



O freguês chegou, curioso, e de cara agradou. Estava lá o cãozinho falante, à sua frente. O dono, pra deixá-lo à vontade, afastou-se e foi cuidar de seu jardim de papoulas, mais pro fundo do quintal, com uma recomendação:
o senhor tem cerca de meia hora para a entrevista, pois tenho outro potencial cliente a caminho.

E logo se travou o diálogo seguinte:

 - Você fala mesmo, cãozinho? Como se chama?
 - Responderei à segunda, senhor, que implica resposta à primeira:
 chamo-me Fluffy Ruby...e o senhor...?
 - Sou Joaquim Manuel. Diga lá, como aprendeu a falar?
 - Tive uma babá, desde filhote.
 - Fala-me um pouco de sua história...
 - Bem, como deve ter uma próxima entrevista, vou ser sintético:
desde a tenra puberdade revelei-me um intuitivo detector, e a CIA, logo me descobrindo, convidou-me para exames, que prestei com sucesso e brilhantismo, em língua inglesa, e fui então contratado com excelente nível salarial; ao longo de meus doze anos de prestação de serviços - sou agora aposentado pelo Governo norte-americano - ascendi rapidamente na carreira, em consequência de dedicação e eficiência comprovadas a cada patamar de incumbência; auxiliei positivamente no desbaratamento de cartéis do tráfico internacional de drogas e de pessoas; olavista do carvalho, detectei comunistas de carteira e sem carteira até, pelo mundo afora, a uma simples e despretensiosa cheirada; quando entrei no Vaticano então, fui do Papa ao sacristão...No Brasil, de Jesus e de Nossa Senhora Aparecida, foi uma olavagem que o senhor nem pode imaginar...até no Recanto de Letras desvendei uma corrente determinada a derrubar o governo, destruir a família, a implantar o boiolismo, o ensino pagão, e tantas outras barbaridades que tem a marca do sacanismo cristofóbico... Bem, vem voltando aí o meu dono - ainda - e devo parar por aqui...espero que o senhor entenda e releve minhas razões...

O dono retorna, e pergunta a um perplexo, queixo-caído, entrevistador:

 - Que tal, como foi a entrevista...?
 - Muito reveladora, absolutamente surpreendente...e quanto o senhor quer pelo Fluffy Ruby?
 - Dez reais!
 - Mas como? Dez reais, eu não posso crer, é irrisória quantia... uma indignidade para com um animal tão preparado, instruído e simpático...
 - Se o comprar, o senhor vai ver já ir logo a hora de o passar para frente...ele é um mentiroso compulsivo...
 

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 365 vezesFale com o autor