Usina de Letras
Usina de Letras
43 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Paz chegará quando a ideia de destruir Israel for abandonad -- 24/03/2009 - 13:32 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Zero Hora - 24/3/2009

ENTREVISTA

"A paz chegará no dia em que a ideia de destruir Israel for abandonada"

Entrevista: Yair Recanati, EMBAIXADOR ITINERANTE DE ISRAEL

O conflito no Oriente Médio foi um dos principais temas das palestras realizadas pelo embaixador itinerante de Israel para a América Latina, Yair Recanati, durante sua passagem pela capital gaúcha, nos últimos dias.

Em entrevista concedida logo após a visita à redação de Zero Hora, o diplomata voltou a falar do tema, avaliou as mudanças no panorama político israelense e opinou sobre as perspectivas de paz para a região. Confira trechos da conversa:

Zero Hora - Qual é sua expectativa com relação ao novo governo israelense, de direita, e às negociações de paz no Oriente Médio?

Recanati - Todo governo israelense, cada um ao seu estilo, sua forma, busca desesperadamente, com muita intensidade, chegar à paz. Nosso problema é existencial - existir ou deixar de existir. O Irã, por exemplo, declara dia e noite a vontade de destruir nosso país e utiliza terroristas da região como fonte de seus propósitos. É muito difícil estabilizar o Oriente Médio. Temos negociado com o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, e poderíamos chegar a um acordo com ele. Mas ele não tem controle sobre todo o seu território. Hoje, existem duas correntes na política israelense. Uma, de esquerda, que entende o seguinte: somos mais fortes e por isso devemos ser mais flexíveis. Outra, de direita, não entende a coisa dessa forma. Para essa corrente, Israel deve fazer concessões quando receber concessões da outra parte.

ZH - Existe alguma possibilidade de negociação com o grupo extremista palestino Hamas?

Recanati- Só no momento em que eles deixarem de falar na destruição do Estado de Israel.

ZH- Durante a ofensiva na Faixa de Gaza, houve críticas da imprensa de que a força empregada por Israel foi desproporcional aos ataques feitos anteriormente pelo Hamas. O senhor concorda?

Recanati - Durante oito anos recebemos foguetes sobre o território israelense e não houve nenhum protesto. Onde estava a imprensa nesses oito anos? Israel se retirou de Gaza e nada mudou. Nós temos, sim, um exército mais poderoso. Mas essa é uma luta pós-moderna, de um exército contra uma organização terrorista que se esconde nas escolas, nos hospitais e nas mesquitas, e não dá a cara.

ZH - O senhor acredita que é possível chegar a um acordo de paz com os palestinos em um futuro próximo?

Recanati - O dia em que palestinos gostarem mais dos seus filhos do que odeiam a Israel, a paz chegará. Chegará no dia em que a ideia de destruir Israel for abandonada.

GISELE LOEBLEIN


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui