Usina de Letras
Usina de Letras
216 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50554)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140785)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6176)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Muda o quadro das eleições presidenciais -- 20/05/2009 - 15:53 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ex-Blog do Cesar Maia

20 de maio de 2009

MUDA O QUADRO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS!

1. O tratamento quimioterápico de Dilma Rousseff altera o quadro pré-eleitoral. A quimioterapia baixa radicalmente a imunidade e há a necessidade de repouso. Os riscos de não repousar trazem a contração de enfermidades por baixa imunidade. Desta forma, durante os meses de tratamento, Dilma terá que se afastar da pré-campanha. Sobre Lula, que lançou sua candidatura, pesa a responsabilidade de projetar um cenário com e sem Dilma e assumir riscos a respeito, pois a insistência, se não resultar, atrasará demais a propagação de um nome alternativo.

2. Os que jogam com a pior hipótese estão no PT e querem o terceiro mandato. Lula teria informado enfaticamente que não entrará nesta aventura, pois sua imagem associou-se a estabilidade política, diferenciando-se de outros líderes populares na América Latina. E tem a idade de um mandato de governo menor que Serra. Tem tempo.

3. A candidatura de Ciro Gomes tornou-se inevitável. Seja pela impossibilidade de Dilma estar na pré-campanha, seja por sua substituição, a hipótese de Serra vencer no primeiro turno impulsionará dois candidatos no campo do governo.

4. As incertezas quanto ao futuro da candidatura do PT a presidente afetam também a adesão do PMDB. Todos sabem que o efeito arraste da candidatura presidencial ajuda - e muito - as campanhas dos candidatos a governador associadas. Se o patamar de Dilma ou substituto, ficar abaixo dos 20%, candidaturas fortes como as de Fogaça no RS, de Helio Costa em Minas e outras poderão ser afetadas. Além de candidatos como Jarbas Vasconcelos, que estarão associados à candidatura de Serra.

5. O PT, por seu turno, além de não querer abrir mão de candidaturas no RS, MG, BA, projetando uma derrota, priorizará a formação de bancada federal, o que estimulará o lançamento de candidatos próprios nos Estados, afetando ainda mais as relações com o PMDB.

6. Uma vez Ciro candidato, obrigatoriamente o PSB e o PDT (provavelmente associado) estimularão o lançamento de candidaturas a governador nos Estados, de forma a reforçar Ciro e criar bancadas federais mais fortes.

7. Dessa forma, o que parecia um quadro definido no campo eleitoral, está agora completamente indefinido, sem que se possa antecipar o grid de largada federal e estaduais. Lula não tem paciência nem jeito para articulações e menos ainda para projeção de cenários alternativos. O diagrama a que está acostumado é linear: Deus, ele e o povo.

8. Finalmente, essa imprevisibilidade reforça a candidatura de Serra, que se tornará naturalmente favorita. Sua coligação básica com PSDB, DEM, PPS atrairá outros partidos como o PV e aquele ou aqueles menos aquinhoados na base do governo e que a partir de junho de 2010 poderão dispensar os espaços presentes focando os espaços futuros.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui