Usina de Letras
Usina de Letras
49 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Comentário semanal do coronel Gelio Fregapani -- 01/06/2009 - 10:09 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Comentário da semana nº 37 - 31 de maio de 2009

Gelio Fregapani

Assuntos: Crise, Petrobrás e manutenção da paz

O evoluir da crise

(Inevitável? O pior será quando o dólar perder o valor)

Sabemos que os financiadores do Tesouro dos EUA, como a China e a índia perderam inteiramente a confiança na capacidade de os EUA colocarem em ordem as suas casas monetária, financeira e economica antes que as repercussões da sua política se manifestem com força total. Estão preparando ações que afastarão o dólar para as franjas da política monetária e financeira internacional. Mesmo sem isto o dólar não resistiria.

Uma das manobras dos causadores do colapso para manter seu poder é impingir de novo o FMI para reger a economia dos países afetados, mas deixando de fora os dois mais endividados, os EUA e o Reino Unido. Na verdade mantendo-os como seus controladores. Outra fazer dos direitos especiais de saque emitidos pelo FMI a nova moeda mundial. Ora, quem deseje progredir deve se manter longe do FMI e rejeitar qualquer moeda mundial, desatrelando-se das reservas em títulos dos EUA e outros em dólares, nacionalizando sua economia e governando-a soberanamente. A compra de dólares para "recompor as reservas", quando se sabe que ele perderá o valor é uma re nomada tolice, se não for coisa pior.

Negócio da China (para os chineses)

(A China levará nosso petróleo por apenas 13 dólares o barril)

O Brasil faz papel de otário no empréstimo de US$ 10 bilhões à Petrobras, na verdade uma venda em troca de 200 mil barris/dia de petróleo por dez anos. Feitas as contas: a China pagará US$ 2.739.726,02 por 200 mil barris/dia. Cada barril sairá por US$ 13,70. O preço do barril hoje, a pior cotação dos últimos 10 anos, está em torno de US$ 35-40. E já chegou a 150!!! É claro que novamente subirá de preço.

Quanto aos 10 bilhões, quanto valerão daqui a um mês?

A falácia dos empréstimos externos

(Ninguém quer passar por ignorante reconhecendo que o rei está nu)

Quando um governo necessita de mais dinheiro (seja para construir, seja para roubar, seja para fazer assistência social) tem apenas quatro procedimentos possíveis: Aumentar os impostos, emitir moeda ou títulos do tesouro e pedir empréstimos externos.

Aumentar impostos tem um limite; a partir de certo ponto a arrecadação diminui, e se o imposto chegar a 100% a arrecadação será zero. Emitindo moeda causará inflação, pois haverá mais dinheiro do que mercadorias. Títulos do tesouro, se vendidos internamente desviarão o capital produtivo para especulação e desequilibrarão as contas do governo pelo pagamento de juros. Pior ainda para um país é pegar empréstimos externos (ou títulos vendidos no exterior, que vem a ser a mesma coisa. Dinheiro que chega de fora, sem a produção correspondente, causa inflação idêntica a emitir, e ainda tem que pagar, periodicamente os juros. A dívida, ainda por cima, gera uma dependência que conduz a perda de parcela de soberania.

Para mim era incompreensível como nossos governantes preferiam pedir empréstimos a emitir, até que um brilhante economista me contou como, no seu mestrado nos "States" fora convidado a trabalhar secretamente para eles e instado a conseguir emprego no "governo brasileiro". Teriam alguns de nossos ministros da fazenda e presidentes do Banco Central recebido o mesmo convite? E aceito?

CPIs

(O que se pode esperar)

- Da Petrobrás - Certamente inibirá exageros nos cabides de emprego a corregilionários não eleitos. Talvez iniba também algum futuro desvio de verbas, mas não descobrirá culpados, pois dos onze escalados para investigar supostos desvios, oito respondem a processos criminais no STF ou receberam doações de campanhas de empresas ligadas à estatal. O provável relator, teve quase metade de sua campanha para o Senado, em 2002, bancada pela OPP, empresa incorporada à Braskem, da qual a Petrobras é sócia.

- Das ONGs - Se a CPI da Petrobrás tende a ser neutralizada, a das ONGs ainda é uma esperança. Ainda pode, deixando de lado as questiúnculas político-partidárias e a busca de culpados (que serão absolvidos na Justiça), entrar a fundo na atuação das ONGs para desnacionalizar a dividir o País, o que é muito mais importante. Se for a fundo descobrirá que muitas ONGs foram orientadas e até financiadas por governos estrangeiros com finalidade de dominação; Que estão envolvidos os serviços secretos mais importantes do mundo... Que falta faz uma Abin eficiente!

Quem fica com o petróleo

A busca pelo recurso mais escasso, o petróleo, é o verdadeiro rosto da economia global, cujo apetite supera os limites da sustentabilidade e da Justiça. Com a descoberta do Pré-Sal não tem sentido continuar o modelo criado no Governo FHC, que cede o petróleo às concessionárias que os produzirem. Entretanto o ministro das Minas e Energia, Edson Lobão afirmou ao Financial Times que companhias petrolíferas internacionais serão convidadas a fazer ofertas para concessões nos enormes campos "pré-sal" no Brasil já no próximo ano. Até o Lula havia dito: Todas as nações do mundo que descobriram muito petróleo mudaram o marco regulatório. Só o Brasil não o fez. Nisto ele tem razão. Verem os se são apenas palavras, como outras tantas afirmações presidenciais.

Acidente do Legacy

(acidente de trabalho no Serviço Secreto?)

Os laudos revelaram duas novas falhas: a de que os pilotos omitiram a informação de que o jato não possuía autorização para voar em uma área tida como espaço aéreo especial e a de que eles não fizeram uso do sistema anticolisão em nenhum momento durante o vóo. Os laudos concluíram também que o plano de vóo continha uma informação falsa, segundo o Ministério Público.

Em certo momento houve a suspeita que o Legacy poderia estar espionando o "poço do Caximbo", para verificar se o Brasil estaria dando, secretamente, continuidade ao seu antigo projeto de obter armamento nuclear. A tentativa de fazê-lo sem ser identificado poderia explicar porque haviam desligado o transponder e saído da altitude prevista na área. Que falta faz uma Abin eficiente

Podemos garantir a paz?

Onde há petróleo há conflitos. Não importa em que medida a aparência de uma guerra de culturas apareça vinculada às invasões do Afeganistão e Iraque (e a ameaça ao Irã), porque a realidade era, e é, que se trata de guerras pelo petróleo

Atualmente, a segurança de um país e a defesa de seus legítimos interesses estão, na prática, vinculadas à posse de armas nucleares e à de ogivas de alcance intercontinental. No Brasil, dois presidentes foram responsáveis pela fragilização de programas de defesa militar do país: Collor, quando em 1990, mandou acabar, no sul do estado do Pará, com o "poço nuclear da Serra do Cachimbo" e Fernando Henrique ao assinar, contra a opinião dos militares, em 1997, o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares.

Talvez o mais lúcido dos membros deste governo, Mangabeira Unger é de opinião que deveríamos desenvolver armas nucleares. Declarou ele: "Em primeiro lugar, por causa dos nossos interesses, os interesses nacionais brasileiros. Fica muito claro no mundo que quem ata suas próprias mãos, quem amarra suas próprias mãos é levado muito menos em conta. Veja o grande contraste dos privilégios de que desfruta a Rússia nas organizações internacionais e no relacionamento com os Estados Unidos e a posição minúscula a que continua condenado o Brasil. Mas, em segundo lugar, por conta dos interesses da humanidade, que são mais importantes do que os nossos interesses nacionais. O Brasil e seu governo estão cheios de defeitos. Mas um defeito que nunca tiveram é ser beligerante irresponsável, nesse particular, ao contrário dos Estados Unidos. Não há nenhuma razão para acreditar que o mundo ficará mais seguro com armas nas mãos de Estados Unidos e de um grupo pequeno de países como o Paquistão e a índia, mas não nas mãos do Brasil - pelo contrário; a difusão de armamentos nucleares em potências médias até que se promova o desarmamento nuclear generalizado aumenta a segurança mundial porque cria contrapartidas à hegemonia dos Estados Unidos e inibe os Estados Unidos do que tem sido o exercício irresponsável de seu poder hegemónico".

Coréia. - Uma guerra para solucionar a crise?

É improvável: Se a Coréia do Norte realmente tiver a bomba e mísseis que a transportem jamais será atacada. A não ser que esses artefatos possam ser destruídos antes do uso.

Até a próxima semana, se Deus quiser.

Saudações patrióticas

GF
Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui