Usina de Letras
Usina de Letras
189 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O eterno revanchismo da OAB contra os militares -- 22/06/2009 - 09:08 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Marcos Chagas

Repórter da Agência Brasil

O Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Cezar Britto, rebateu as declarações feitas pelo Ministro da Defesa, Nelson Jobim, à Agência Brasil, de que a punição de militares que participaram de torturas no período da ditadura militar seria "revanchismo". Por meio de sua assessoria de imprensa, Britto afirmou que "por mais que setores ligados à velha ordem empenhem-se em removê-lo, o tema se mantém na agenda política".

Cezar Brito acrescentou que a legislação brasileira e tratados internacionais subscritos pelo Brasil não classificam a tortura como crime político. No seu entender, a Lei da Anistia perdoou apenas "crimes políticos e conexos", o que não incluiria o de tortura. Ele acrescentou que é inútil tentar ignorar ou minimizar o assunto. "Além de imperativo de ordem moral, é demanda histórica incontornável", afirmou.

O presidente da OAB também comentou a afirmação de Jobim de que, caso a ação movida pela entidade junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) com o intuito de derrubar o perdão aos militares seja acatada, os ministros da Suprema Corte terão que lidar com outra questão jurídica, que é a prescrição.

"O que se busca, com o seu enquadramento, é demonstrar que a ação abjeta que [os torturadores] exerceram não configura ato político, mas crime comum, hediondo, de lesa-humanidade - e, portanto, imprescritível, nos termos da lei. Dessa forma, puni-los não fere a anistia, cuja essência é - só pode ser - política. O Brasil precisa livrar-se do hábito de varrer para debaixo do tapete da história as suas abjeções", disse Cezar Britto.

O presidente da OAB ressaltou que anistia não significa "amnésia" e que " um povo que não conhece o seu passado está condenado a repeti-lo". Cezar Britto destacou que o Brasil é a única nação da América do Sul, que não puniu torturadores que serviram a regimes militares na segunda metade do século 20. Ele citou, por exemplo, a Argentina, que encarcerou ex-presidentes da República sem qualquer abalo na democracia vigente.


Obs.: A OAB bem que poderia mudar sua denominação para Organização de Apoio aos Bandidos, já que muitos de seus integrantes pretendem criminalizar apenas os militares "torturadores", que evitaram que o Brasil se transformasse numa Cuba continental, deixando de fora os amiguinhos "terroristas". Não passam de autênticos caras-de-pau, para não dizer coisa pior (F. Maier).



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui