Usina de Letras
Usina de Letras
43 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50542)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Honduras: Crónica do Quinho -- 02/07/2009 - 13:51 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
HONDURAS

01 de julho de 2009

Crónica do Quinho

Nivaldo Cordeiro

- Voltamos aos tempos das ditaduras militares, Quinho? A história de novo se repete, como farsa depois da tragédia?

- De jeito nenhum, doutor, e digo isso quase lamentado, respondeu Quinho, em pé, solene como um mestre-sala das ruas.

- Quinho, você é contra ou a favor do golpe?

- Doutor, primeiro que a coisa não está caracterizada como golpe. Golpe era o que o presidente deposto queria dar, para se perpetuar no poder, como Chávez. A situação lembra um pouco o que o Brasil viveu em 1964, exercendo Chávez o papel que a Rússia e a China tiveram à época, a força externa que dava a dinàmica revolucionária por aqui. Segundo, que tanto o Poder Judiciário como o Legislativo respaldaram o impedimento do presidente deposto. Houve uma sucessão legal e legítima. Nenhuma ditadura foi instalada e o Estado de Direito permanece em vigor.

- Mas, Quinho, cassaram o voto popular pela força, isso não poderia ter acontecido.

- Doutor, não se pode ser idealista e brincar com o perigo revolucionário. Se na Bolívia e na Venezuela algo semelhante tivesse acontecido não teríamos esses governantes grotescos que lá estão, brincando de estadistas e destruindo seus respectivos países. Vivemos na América Latina uma verdadeira gripe asinina, pela qual governantes ridículos e revolucionários empolgam o poder pelo voto e querem nele se perpetuar. O resultado é que, para pór esses farsantes fora do poder, esses países terão que usar a força, mais dia, menos dia, o que pode gerar guerras civis. Melhor como fizeram em Honduras, mataram o mal pela raiz.

- Então foi feito o mal menor?

- Nem isso, doutor, acho que ali fez-se o bem. Em política a única coisa imperdoável é a ingenuidade, pois é por ela que os malvados se apossam do poder para não mais sair, por meios pacíficos. A discussão da legitimidade política é muita antiga e o que há de mais venenoso nela é o dogmatismo idealista, que pode negligenciar o processo histórico, único caminho pelo qual a realidade política adquire racionalidade. A liberdade é sempre uma planta frágil e perecível ao menor vento. Precisa ser cultivada com carinho. Por vezes o uso da força é necessário.

- Então, porque essa condenação universal ao novo governo, Quinho?

- Porque o grande problema não está em Honduras, que por seus próprios meios soube se livrar da ameaça. O problema está no resto do mundo. A situação mundial assemelha-se àquela vivida nos anos Trinta. Muito discurso, muita arenga pela paz mundial, pela democracia, enquanto que os inimigos da civilização vão tomando conta de tudo. Veja o caso de Obama: um homem completamente despreparado para o poder, comprometido com a agenda deletéria do esquerdismo mundial, um relativista moral desprovido dos princípios que fundaram o Ocidente. E governa agora a maior Nação do planeta. Vimos como ele está tratando a crise económica, plantando a destruição do livre comércio e acabando com a supremacia do dólar no mercado mundial. Isso certamente não terminará bem. Ele quer tão somente atender o interesse paroquial dos seus cabos eleitorais, os esquerdistas de todos os matizes que lhe deram votos. O homem vive em palanque permanente. Então essa é a diferença. Nos anos Sessenta os EUA, quando as antigas ditaduras militares foram instaladas, estavam comprometidos com o enfrentamento do comunismo mundial, enquanto que hoje está sendo governado por uma elite comprometida com o próprio comunismo.

- Acredita nisso mesmo, Quinho?

- Mas é claro. Então essa onda de condenação a Honduras, além de esperada e lógica, serve de termómetro para medir o grau de alienação política em que se encontra o mundo moderno. Igualzinho aos anos Trinta. Lembra que os governos ocidentais, EUA, Inglaterra e França, praticaram o desarmamento até a eclosão da guerra, pondo em prática a política mais idealista, irresponsável e estúpida que seus governantes poderiam fazer? Deu na II Guerra Mundial, o mais trágico morticínio de todos os tempos. E o mundo inteiro quase caiu sob a ditadura mais brutal. Os perigos de hoje são equivalentes, com um agravante: os meios militares de destruição em massas são mais mortíferos e disseminados do que eram àquela época. Perco o sono só de pensar, por exemplo, no que virá se explodir uma guerra entre Irã e Israel, algo perfeitamente esperado. Será uma preliminar do Armagedon.

- Quer dizer que a condenação ao novo governo hondurenho é um erro?

- Sim, doutor, um trágico erro. Ou muito me engano ou os inimigos do novo governo vão se reagrupar, insuflados por Hugo Chávez e a complacência de Barack Obama. É possível que esse governo não dure e a instabilidade política se instale na região. O que Obama deveria fazer é simplesmente reconhecer o novo governo e deixar que as forças políticas internas de Honduras resolvam seus próprios problemas.

- Fiquei preocupado, amigo Quinho.

- Não é para menos, doutor. O tempo não está para brincadeiras, não.


NIVALDO CORDEIRO: um espectador engajado
http://www.nivaldocordeiro.net/



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui