Usina de Letras
Usina de Letras
50 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->COB quer militarizar esporte -- 08/07/2009 - 08:44 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Folha de S. Paulo - 7/7/2009

SÉRGIO RANGEL

DA SUCURSAL DO RIO

COB quer militarizar esporte

O COB (Comitê Olímpico Brasileiro) quer militarizar atletas de ponta. Desde o início do ano, técnicos da entidade preparam um projeto para abrir as portas das Forças Armadas aos esportistas.

O trabalho é baseado nas experiências de algumas importantes potências olímpicas, como Rússia, China e França. Países que usam a carreira militar para dar estímulo aos seus melhores competidores.

Ielena Isinbaieva, detentora da melhor marca do mundo e campeã olímpica e mundial do salto com vara, faz parte do Exército da Rússia. Em agosto de 2005, a saltadora entrou na carreira militar como tenente das Forças Armadas e, em 2008, foi promovida a capitã.

Mesmo assim, continua representando a Rússia nas principais competições mundiais.

"Queremos garantir aos nossos atletas uma remuneração fixa, todos os benefícios que os militares têm, além de colocá-los para treinar em instalações com boa estrutura", disse o ex-judoca Sebastian Pereira, que é gerente de atendimento do COB nas confederações de judó, boxe e lutas associadas.

Ele é um dos principais articuladores da entidade esportiva nas Forças Armadas.

"Fora isso, eles vão ter a opção de ingressar em uma nova carreira após o final do seu ciclo esportivo", acrescentou Pereira, que foi atleta e soldado do Exército por oito anos.

Um projeto-piloto já foi criado pela Marinha. No mês passado, cem atletas se formaram em marinheiros no Rio, entre eles a judoca Ketleyn Quadros, bronze em Pequim-2008.

As inscrições haviam sido abertas para competidores de todas as modalidades.

A maioria das judocas da seleção feminina aderiu ao militarismo. O paulista Diogo Silva, do taekwondo, primeiro medalhista de ouro do Brasil no Pan-2007, também é marinheiro.

Eles fizeram um curso de três semanas no Rio, mas não terão que fazer plantões no quartel.

"A função deles é representar o Brasil em competições", afirmou o tenente Maturana.

"Eles não terão nenhum trabalho burocrático para fazer. Vão poder treinar sem problemas e serão convocados por um determinado período para treinar nas instalações da Marinha", completou ele, que integra a comissão técnica da seleção brasileira de judó e é um dos estrategistas do time.

O soldo de marinheiro é atualmente de R$ 1.056. Apesar de o salário não ser dos mais altos, a estabilidade da renda e os centros de treinamentos oferecidos pelos militares são os principais atrativos.

"Essa verba ajuda muito. Até a semana passada, eu tinha apenas o salário do meu clube. Além do mais, posso ter uma nova profissão no final da carreira", declarou Ketleyn Quadros -a judoca cursa a faculdade de educação física.

Apesar de já elogiar a iniciativa da Marinha, os dirigentes do COB querem ampliar o projeto. A intenção é que alguns atletas de alto nível entrem nas Forças Armadas como oficiais.

O modelo adotado pelo COB está sendo formatado pelo grupo de técnicos da entidade e deverá ser apresentado ao Ministério da Defesa até o fim do ano.



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui