Usina de Letras
Usina de Letras
36 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50541)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Comunicado do Laboratório Brasil de Hoje -- 13/07/2009 - 14:16 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Comunicado do Laboratório `Brasil de Hoje`

Texto de Maria Helena Santini

Comunicamos a todos os cidadãos brasileiros que tiramos de linha o produto `Vergonha na Cara` e que, lamentavelmente, o estamos substituindo por dois novos produtos nada similares e de qualidade infinitamente inferior: o `Levando Vantagem` e o "Passando a Perna".

Durante muito tempo, mantivemos nossa produção do `Vergonha na Cara`, apesar de ser este um produto de pouco consumo por muitos brasileiros, principalmente nas últimas 3 décadas.

Comercializamos o `Vergonha na Cara` por centenas de anos e continuamos a insistir na manutenção do produto no nosso catálogo apenas para honrar a tradição e a memória de antigos ilustres consumidores como Tiradentes, Ruy Barbosa, José Bonifácio, Dom Pedro II, Marechal Deodoro da Fonseca e outros tantos que sequer hoje são lembrados.

A cada década que se passa, observamos que o `Vergonha na Cara` está sendo menos consumido e vêm sido rapidamente substituído pelos cada vez mais atuais produtos `Levando Vantagem` e `Passando a Perna`.

Acompanhando as pesquisas dos institutos especializados, aferimos que o uso do `Levando Vantagem` e do `Passando a Perna` está amplamente propagado entre as várias camadas da população, já que o consumo desses dois medicamentos provoca o consumo desenfreado de drogas, o aumento dos latrocínios, dos assassinatos, da corrupção e da imoralidade.

Todos esses males nada mais são do que a tentativa da resolução dos problemas pela via mais fácil e ignóbil e que são efeitos secundários da ingestão desmedida do `Levando Vantagem` e do `Passando a Perna`.

O produto anterior, o arcaico `Vergonha na Cara`, fabricado desde os tempos do `fio de bigode`, tem como pré-requisitos de consumo, a necessidade de se manter alguns comportamentos éticos e saudáveis, quais sejam: o uso do esforço, do trabalho e do estudo para que se atinja o resultado almejado que é a ascensão social e o aprimoramento do ser humano.

Já o `Levando Vantagem` e o `Passando a Perna` têm efeito mais rápido e não requerem precauções de consumo: basta que o consumidor saiba enganar, dissimular, roubar e mentir, ações que, convenhamos, requerem apenas um apurado instinto ludibriador e uma intensa falta de respeito ao próximo e às leis.

Foi através de observações sistemáticas dos mais recentes fatos históricos que notamos que o uso do `Levando Vantagem` e do `Passando a Perna` está principalmente disseminado no meio político, onde o uso indiscriminado dos dois produtos acima citados, beira a overdose que certamente pode levar à falência múltipla da fé pública e da moralidade nacional.

O `Vergonha na Cara`, queira Deus e quem sabe um dia, poderá voltar a ser produzido e recolocado nas prateleiras da farmacopéia brasileira, desde que os antigos e éticos consumidores do nosso país venham a exigir a retomada da fabricação.

Para que isso se efetive, basta que os homens de bem busquem dentro de si mesmos, a antiga fórmula do `Vergonha na Cara` e que a divulguem abertamente, declarando o repúdio ao que hoje acontece no nosso país através de armas que muitos de nós possuem: e-mails para amigos, para políticos, para jornais, para revistas e por últimos, a participação em passeatas públicas bem organizadas.

Sem a exposição de nossa indignação, não há solução!

Não deixemos portanto que nosso país definhe numa metástase irrecuperável. Façamos da nossa voz e da nossa escrita, o material necessário para que se volte a fabricar em larga escala, um produto insubstituível: `Vergonha na Cara`!


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui