Usina de Letras
Usina de Letras
61 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62126 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22528)

Discursos (3238)

Ensaios - (10326)

Erótico (13566)

Frases (50535)

Humor (20019)

Infantil (5413)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140775)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Incoerências na política mundial -- 20/07/2009 - 10:15 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
INCOERÊNCIAS NA POLíTICA MUNDIAL

Ternuma Regional Brasília

General de Exército A. L. M. de Paiva Chaves

CRÓNICA 9

(7 Jul 2009)

Ao cidadão comum, empenhado em se manter informado, fazem falta cultura sociológica e política mais sólidas. Talvez, se as tivesse, poderia melhor interpretar decisões de governos, de organismos internacionais e regionais, que contrariam aspirações e escolhas dos povos em nome de quem foram instituídos, ou as aprovam, ignorando a legalidade estabelecida.

Durante a 2ª Guerra Mundial, a heróica resistência dos "partisans" franceses e italianos foi exaltada e apoiada, como legítima, pelas Forças Aliadas e por todos os que se alinhavam com sua causa. Entretanto, lutavam contra seus governos legalmente constituídos, embora afinados com o "Eixo" dominador,

Em 1964, no Brasil, o povo, respaldado por maioria esmagadora da mídia e significativa parcela do Congresso, foi às ruas pedir o afastamento do presidente. Com a mobilização das Forças Armadas, este abandonou o cargo e deixou o país. Novo presidente foi eleito pelo Congresso. O governo foi reconhecido pela comunidade das nações. O país teve um surto de desenvolvimento até então jamais visto. Hoje, a síntese que muitos fazem do período é um golpe militar seguido de ditadura sanguinária.

Recentemente, nações e povos condenaram a repressão iraniana ao movimento popular que se rebelou contra o resultado das eleições, embora o governo legalmente constituído o tenha validado.

Em Honduras, o Legislativo e o Judiciário, até então referendados em sua representatividade por todos os países e organismos multilaterais, destituíram o chefe do governo, por infringência à Constituição. Cometeram às Forças Armadas a incumbência de prendê-lo. Foi unànime, em todo o mundo, a condenação ao que foi visto como uma "quartelada".

Estes são alguns dos muitos exemplos que nos fazem debruçar sobre as notícias, refletir, investigar o passado, e não conseguir descobrir coerência. Há de ser por ela não existir entre os que representam o povo, embora este, sim seja coerente.

É coerente o povo argentino, quando derrota nas urnas a dinastia Kirchner, após condenar a manobra de antecipação das eleições, a nacionalização dos planos securitários privados, a queda brutal das exportações, a disparada inflacionária, de par com o desemprego e a miséria.

É coerente o povo brasileiro, quando se indigna com a absolvição, no Conselho de Ética, de um deputado que usava dinheiro público para pagar empresa de segurança de sua propriedade. Ou com a inexplicável protelação da instalação da CPI da Petrobrás. Ou com as vergonhosas manobras para inocentar senadores de incontáveis ilícitos que beneficiaram a eles próprios, seus parentes e funcionários. Ou com a diretriz do primeiro mandatário a seus correligionários, de defender a permanência do presidente do Senado, em nome da governabilidade - entenda-se, da coalizão dos partidos de ambos, com vistas às próximas eleições - e por não ser uma pessoa comum, merecendo tratamento diferenciado.

Por outro lado, é incoerente a política externa do atual governo. Busca aproximação com países dirigidos por ditadores "perpétuos", que cerceiam liberdades e põem sob ameaça a paz mundial. Omite-se na avaliação de suas condutas, sob o argumento da não-ingerência. Ao mesmo tempo, olvidando o mesmo argumento, condena outros, por não interessarem a seu pragmatismo económico ou ao consenso do Foro de São Paulo.

Embora a mídia difunda os fatos e cobre soluções, as casas legislativas federais não se fazem ouvir. Compreende-se que não o faça quem apóia o governo. Porém é débil, quase nula, a voz da oposição, mais preocupada com questões internas e com seu futuro eleitoral.

Para questionar uma hegemonia política que pretende se eternizar, apoiando-a ou se lhe contrapondo, só resta a coerência do povo. A coerência do cidadão consciente de direitos e deveres, que sai da comodidade para lutar por suas ideias. Que tem a seu alcance a extraordinária permeabilidade da internet, para fazer ouvir sua voz.

Assim como ocorreu na Argentina uma guinada, que ameaça frustrar a continuidade dinástica, aqui há também que aumentar o volume dos questionamentos. E tanto mais se ouvirão os sons amplificados quanto maior a quantidade de vozes, em uníssono, clamando pela internet, chegando aos "blogs" da mídia, aos sites dos jornalistas, dos parlamentares e dos administradores públicos.

Vamos questionar!



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui