Usina de Letras
Usina de Letras
39 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Quem disse que uma Hondurinha só não faz verão? -- 01/12/2009 - 14:24 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
QUEM DISSE QUE "UMA HONDURINHA SÓ" NÃO FAZ VERÃO???


HONDURAS

"Há democracia até demais em Honduras"

Toinho de Passira

Podemos afirmar, desta vez sem estar mentindo, parafraseando o nosso presidente, Lula, que se utilizou da frase para justificar a permanência de Hugo Chávez, indefinidamente no poder na Venezuela

Primeira página do jornal "El Heraldo" de hoje

Os grandes derrotados nessas eleições do ontem em Honduras foram Hugo Chávez, secundado pelo seu comparsa Luis Inácio Lula da Silva, alcunhado de Lula, o coadjuvante do ditador venezuelano.

Manuel Zelaya devia reclamar de Hugo Chávez, ter perdido o poder em Honduras. Foi por inspiração, incentivo e apoio do venezuelano, que resolveu enfrentar e desrespeitar as instituições hondurenhas, querendo a qualquer custo se reeleger para continuar servindo, como vassalo, o venezuelano.

Honduras, um pequeno e pobre país centro americano, enfrentou o mundo, os poderosos de todos os matizes, para defender a sua democracia, vitoriosa.

Até os golpes baixos aplicados por Chávez, elaborando o plano maroto de plantar Manuel Zelaya na embaixada brasileira com o apoio de Lula, tentando criar uma situação de comoção nacional, foram enfrentados e dominados.

Desde 29 de junho que os zelaystas enfrentam, provocam, apedrejam, saqueiam, tentando que as forças armadas hondurenhas perdessem a serenidade e cometessem uma agressão que comprometesse o governo. Não conseguiram. O soldado hondurenho posto em situação extrema de trabalho e tensão manteve-se altivo, garantindo a ordem, sem exageros ou excessos, dando exatamente as pauladas necessárias para por para correr a corja zelaysta. Poucos países do mundo passariam nesse teste, incólume.

Andres Pavon, presidente do Comitê de Defesa dos Direitos Humanos de Honduras, um apaixonado zelaysta, apresentou milhares de extenso relatório sobre agressões, dizendo que teriam acontecido 129 mortes sem esclarecimento, a maior parte delas, 109, durante os toques de recolher. Além disso, mais de 3 mil pessoas teriam sido presas arbitrariamente e dez atos contra a imprensa no país.

Mesmo com todo o prestígio que o Comitê da Defesa dos Direitos Humanos, os relatórios de Andres Pavon, nunca foram levados a sério. Para tanto os jornalistas de todo mundo que circulavam no país, não encontravam esse clima de terrorismo constante dos relatórios do homenzinho.

As suas denuncias se anulavam por si mesmas: enquanto falava que o país estava debaixo de uma ditadura cruel e sanguinolenta, dava entrevistas virulentas contra o governo, sem nenhuma restrição, com cobertura da mídia local, que publicava sem cortes os resultados mirabolantes relatórios falseados. Foi desmoralizando pela realidade.

Os Estados Unidos que inicialmente apoiou Manuel Zelaya, teve que mudar de postura, após o jurídico do Departamento de Estado tem concluído que não acontecerá um golpe em Honduras, que houvera um exagero, não comprometedor da legalidade do ato, mas tudo versava dentro dos ditames constitucionais.

Numa fulminante ação diplomática fez um acordo com o presidente deposto Manuel Zelaya e o presidente Roberto Micheletti, onde ambos se comprometiam em validar a eleição. Junto haveria uma consulta ao Congresso Nacional de Honduras para determinar a volta ou não de Zelaya ao poder.

Zelaya assinou e comemorou os termos do tratado, imaginando que voltaria imediatamente ao poder, para influenciar no curso das eleições, adiando, como propós o Brasil a OEA, ou tumultuando para que não acontecesse. Quando percebeu que o Congresso hondurenho não estava disposto a lhe por de volta no poder, renegou o acordo, que até agora não foi desrespeitado numa vírgula, e se disse traído pelos americanos.

O congresso americano apoiou o encaminhamento que o governo Obama deu ao caso. Achando-se o centro do universo, Zelaya declarou "eles arrumaram sua casa, mas desarrumaram a nossa". Com se os republicanos e democratas, para resolver questões internas americanas, houvessem decidido conspirar contra o hospede brasileiro em Tegucigalpa.

Reconhece-se uma democracia pela postura dos candidatos derrotados. Foi assim que o candidato do Partido Liberal, Elvin Santos, do mesmo partido do atual presidente de Honduras, Roberto Micheletti e do presidente Manuel Zelaya, de quem era vice-presidente, reconheceu sua derrota para Porfirio Lobo, do Partido Nacional:

"En votación libre, hondureños escogieron a Porfirio Lobo Sosa"- e não precisava dizer mais nada.

Não importa o que pensa ou querem Lula, Chávez, Morales, e a arraia miúda, Celso Amorim e Marco Aurélio, o Top Top Garcia. Quem manda em Honduras e decide o seu destino é o povo hondurenho. Ponto final.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui