Usina de Letras
Usina de Letras
64 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59671 )

Cartas ( 21255)

Contos (13330)

Cordel (10321)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9538)

Erótico (13486)

Frases (47222)

Humor (19421)

Infantil (4628)

Infanto Juvenil (3940)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138785)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5662)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->OS FILHOS DE SEU GECINALDO E DE DONA GRENAURA -- 17/11/2021 - 11:06 (Renato Souza Ferraz) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

OS FILHOS DE SEU GECINALDO E DE DONA GRENAURA

Renato Ferraz

 

O nome do novo porteiro do prédio era Temístocles. Seus colegas o chamavam de Temista,

O pai dele gostava de polêmica e tinha mania de procurar nomes estravagantes para colocar nos filhos.

Seu Gecinaldo era bastante conhecido na cidade, pois tinha um boteco na periferia, onde se reuniam para conversar, os antigos clientes. Lá jogavam, bebiam, davam risadas e ajudavam o tempo a passar...

O apelido de Temístocles era Nó Cego. Se o nome verdadeiro do rapaz já lhe causava dores de cabeça, imaginem ser rotulado como alguém problemático, que coloca dificuldade em tudo e que é um causador de problema. Esse é o significado da expressão “nó cego”, aqui na região.

Trocavam seu nome por outros até mais difíceis de se pronunciar. No entanto Temístocles mesmo, poucos o chamavam. Alguns diziam Aquiles ou Demóstenses , Tenista ou Diógenes e mais outras variações, cada um mais estranho que o outro.

Tem pessoas que preferem colocar nomes sem pensar um pouco e nem imaginam a confusão que isso pode causar durante uma vida.

A personagem era um homem calmo e um sujeito educado. Uma pessoa comum, que cumpre suas obrigações e vive uma vida simples e normal.

O apelido nó-cego é aquele tipo de acidente que ocorre do inesperado e vira um grande problema na vida da pessoa. Nada tem a ver com sua personalidade.

Foi na escola, na época de estudante que ganhou esse apelido, de nó cego.

Ajudou uma colega a amarrar o cadarço do seu sapato e ganhou o apelido num instante.

O cadarço era longo, vivia folgado ou solto e um acidente poderia causar.

Ele resolveu ajudá-la, pediu para amarrar e deu um nó, que ninguém depois conseguiu desatar!

Até insinuaram que foi de propósito, já que dava impaciência ver aquela menina andar com os cadarços soltos, arrastando e podendo a qualquer hora tropeçar e cair.

 

Dona Grenaura, a mãe de Temístocles, sempre criticou o marido pela escolha daqueles nomes dados aos filhos, feita à revelia e que só lhes causava confusão.

Em qualquer lugar era motivo de gozação ou dificuldade.

Interessante que o primeiro nome da lista, de última hora, Seu Gecinaldo resolveu deixar para o próximo filho.

Epaminondas seria a outra opção que o pai usou para o seu irmão.  

Já a irmã mais velha que seria Saint Clair, por um erro do cartório ficou Sancré!

O segundo irmão recebeu o nome de Pelópidas.

Depois veio Ptolomeu, em seguida Melquíades e por último Tertuliano.

A segunda irmã, a caçula, ganhou um nome até mais suave, Salustiana!

Temístocles casou e teve um casal de filhos, Juliana e Édson. Sua esposa chama-se Beatriz.

 

Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 1Exibido 34 vezesFale com o autor