Usina de Letras
Usina de Letras
40 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62410 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22546)

Discursos (3240)

Ensaios - (10450)

Erótico (13578)

Frases (50803)

Humor (20074)

Infantil (5487)

Infanto Juvenil (4811)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1377)

Poesias (140872)

Redação (3320)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2437)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6235)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Salve lindo...! -- 04/11/2022 - 10:54 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

Bilac era aquilo que todos amavam e admiravam: um senhor Poeta. Inspirado, rigoroso com a rima e a métrica e dono de um talento sem igual. E, sem bolsonarismo na época, o seu gosto pelos meninos da direita - e da esquerda, como não?- era relevado, e até dava certo it ao seu charme excêntrico e buliçoso.

 

Num aspecto, no entanto, Olavo era a imperfeição em verso e prosa: mau administrador de suas finanças, sofrevivia pendurado. E naquele dia em que chegou ao seu alfaiate costumeiro, Augusto da Paz, mágico da tesoura, e tentou encomendar-lhe um fraque, um novo fraque de gala, já que o seu costumeiro andava puído nos punhos e cotovelos, quase foi expulso da alfaiataria por Augusto da Paz:

 

- Como você ousa, Olavo, quem nem é de Carvalho, encomendar uma roupa de gala, se ainda está a dever-me serviços sartoriais de três anos passados...sem ao menos uns mil-réis de atrasados...? Só pode estar louco!

 

E Olavo admitiu sua falta, sua desorganização mas foi veemente e insistente e até vitorioso ao final, que Augusto, cedendo, concedeu-lhe fazer o fraque desde que ele, Olavo, se comprometesse a incluir em uma de suas maravilhosas composições o nome Augusto.

 

Trato feito. Olavo saiu satisfeito da Alfaiataria de Augusto e, dali a duas semanas, devidamente enfatiotado com o fraque de seus sonhos, levou o amigo Augusto ao Theatro Municipal para assistir à cerimônia de premiação de um concurso de hinos, em que ele, Olavo, havia saído vencedor.

 

E orquestra, maestro e cantor foram feéricos ao entoarem:

 

...Salve lindo pendão da esperança,

...salve símbolo Augusto da Paz...

 

Até Luiz Inácio, livre, leve e solto aplaudiu, de pé, e se comoveu ao lado de um também lacrimejante amigo seu, Zé Dirceu...!

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 9Exibido 85 vezesFale com o autor