Usina de Letras
Usina de Letras
38 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50541)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Quando dois mais dois são quatro -- 16/08/2010 - 12:16 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
QUANDO DOIS MAIS DOIS SÃO QUATRO

Percival Puggina

Eu sei, é fortíssima a tentação de lutar contra fatos que nos contrariam tanto. Cede-se, facilmente, à tentação de considerar que diferentes institutos de pesquisa, concorrentes entre si, se unem num imenso compló para dar vitória a quem não se quer. Eu sei, eu entendo. A gente precisa dormir contemplando um horizonte sem tantas nuvens. Mas a realidade é esta: se não ocorrer qualquer incidente de percurso, algum fato novo (e em eleições, quando a gente começa a esperar por fato novo é porque a vaca está indo para o brejo), Dilma presidirá a república por delegação de seu chefe e com unção popular. Eu sei que doi, mas não gosto de me iludir nestas coisas. Basta olhar as tendências desenhadas pelas sucessivas pesquisas para discernir o que vem por aí.

Por que escrevo estas linhas tão sentidas, traçadas entre soluços cívicos? Não seria melhor redigi-las sobre a necessidade de um movimento feminista no Irã? Acontece que, deixando a modéstia de lado, proclamo-me um dos raros, raríssimos, cronistas nacionais a indicar para onde, sempre em busca dos níveis mais baixos, nos arrastam as águas servidas desse nosso modelo institucional. Quantas vezes escrevi, ao espocarem os flashes sobre os escàndalos: "Tá ruim? Pois saibam que vai desandar ainda mais". Ou então: "Não gostam desse parlamento? Regozijem-se com ele porque o próximo será pior". Gasto meus dedos, leitor, explicando, tintim por tintim, as causas das nossas mazelas e o quanto a regra do jogo político vai nos tornando reféns dos demagogos, privilegiando a mentira e centralizando o poder em proporções tão avassaladoras que nos tornamos um país de vassalos que se creem numa democracia.

Por que tão poucos prefeitos se declaram contra Dilma? Por que, ao longo dos respectivos mandatos, são raros os governadores em oposição política ao governo da União? Por que tanta gente está sempre no governo ou com o governo? Porque esse adesismo se inclui entre as práticas mais comuns do país?

Mas que diabos! Se aceitamos, ou consideramos irrelevante, o fato de que o presidente da República enfeixe tanto poder, como temos a coragem de reclamar das consequências? Nesse sentido, durmo sob nuvens negras no horizonte, mas com a consciência em paz. É muito contra minha proclamada vontade que o presidente chefia o Estado, o governo e a administração; comanda o orçamento da União (ou seja, quase 70% das receitas públicas e algo como 22% do PIB nacional); legisla vigorosamente através de medidas provisórias; libera, ao seu talante, recursos para estados, municípios e emendas parlamentares; manda e desmanda nas estatais; nomeia os membros dos tribunais superiores; controla as concessões de rádio e TV. E distribui fabulosas verbas publicitárias... É contra a minha vontade que, havendo nos tornado uma sociedade de massa, onde a opinião pública se confunde com a opinião publicada, escolhamos a pessoa que vai assumir tamanho poder pela via do voto direto que tanto facilita a vida dos demagogos e dos mentirosos. É contra a minha vontade que elegemos os membros do Congresso Nacional através de um sistema proporcional que estimula a representação política dos grupos de interesse (perfeito para conceder privilégios a uns e mandar a conta para todos). E ainda melhor para dissolver a oposição, como sal de fruta, no balcão das negociações.

Mas quem dá bola para isso? Quem, ou melhor, quantos, ao escolherem, agora, nestes dias que correm, seus candidatos ao Congresso Nacional (Càmara e Senado), se interessam em saber o que eles pensam sobre reforma política e pacto federativo? Quem? Quantos? Então, leitor, repita comigo: "Vai piorar!". Tão certo como é certo que dois mais dois são quatro. O Brasil foi capturado pelos vícios de seu modelo institucional. E muitos pretendem responsabilizar o povão pobre e humilde por sua intenção de voto. Era só o que faltava! Será que cabe a ele, povão, escrutinar as malícias e mazelas do modelo político nacional e apontar soluções para que a democracia não se converta nessa coisa malsã e decadente sob a qual vivemos?

______________

* Percival Puggina (65) é arquiteto, empresário, escritor, titular do site www.puggina.org, articulista de Zero Hora e de dezena de jornais e sites no país, autor de Crónicas contra o totalitarismo e de Cuba, a tragédia da utopia.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui