Usina de Letras
Usina de Letras
239 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62152 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O drama de Sofia -- 20/10/2010 - 10:38 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Aos prezados para a devida apreciação.

abrs do Marco Felício


O DRAMA DE SOFIA

Marco Antonio Felicio da Silva (*)

Durante a Segunda Guerra Mundial, Sofia era prisioneira judia de um campo de concentração nazista. Com ela, no campo de extermínio, estavam duas crianças, seus filhos. Em dado momento, Sofia deveria escolher um deles para envio à morte, na càmara de gás. Aterrorizada, desesperada, sentiu-se obrigada a sufocar os sentimentos mais sagrados para uma Mãe, sentimentos que estão ligados ao amor filial. Racionalmente, friamente, sem ter como reagir, paralisada e fragilizada em face das tremendas e adversas circunstàncias que lhe eram impostas, amparada pela esperança da possível sobrevivência de um dos filhos, fez a sua dolorosa e triste escolha. Escolha, sabia ela, que a faria sangrar o coração, tornando-a uma morta-viva a cada dia de sua, também, imprevisível existência. O mais fraco, diante da crítica situação que imperava no campo, foi levado à morte.

Dramática, também, para parcela consciente e responsável da Nação brasileira, que passa por grave situação de descalabro político, repercutindo negativamente no psicossocial e económico, é a atual escolha para a Presidência da República. Estamos frente a duas alternativas, sem qualquer outra saída aparente, e qualquer uma delas incidirá fortemente no destino, a curto, médio e longo prazos, do País. A escolha entre a violenta guerrilheira, comunista fanática, Dilma, e o indecifrável, subversivo marxista de 1964, José Serra.

A escolha deste último representaria, também, a derrota de Lula e de um estilo de Presidente sem compostura, demagógico, populista, manipulador da massa carente e sem respeito à parcela da população (que não concorda com o seu desgoverno, não comunga das suas idéias e da sua pseudo ética) e à liturgia do cargo, o que mostrou de forma cabal como ridículo e insensato cabo eleitoral de sua candidata.

Dilma, inconfiável pelos mutáveis critérios, crenças e posições, determinados por marqueteiros políticos, diante de decisões a tomar; pela sua postura arrogante, autoritária e despreparo em face de ocorrências lamentáveis e inadmissíveis, tornadas de conhecimento geral pelos jornais e que envolvem inaceitável viés ideológico, corrupção, mentiras, omissões e irresponsabilidades no trato da coisa pública. A agravar, seus assessores são coerentes com o que ela representa: Um Brasil no rumo da concretização de regime socialista-marxista, isto é, no rumo do retrocesso histórico.

Do outro lado José Serra, oriundo de matriz político-ideológica similar a de Dilma, ressentido com o setor militar pelo seu exílio forçado, função de sua atuação nos idos de 64. Também, arrogante e autoritário, não mostrou, até agora, a sua verdadeira face. Ë uma esfinge a decifrar. Em desvantagem eleitoral inicial, usa de promessas demagógicas. Defende a vida quando tem como companheiro inseparável e assessor de campanha o já eleito senador Aloysio Nunes Ferreira o qual carrega em sua biografia a contribuição para a execução de atos terroristas, incluso assassinatos.

Não há exagero quando tal escolha é comparada a de Sofia. A História mostra que, em vários países, foram levados ao poder, com o apoio da população, tirànicos fanáticos como Hitler, Mussolini, Lenine, Stalin, Fidel Castro e muitos outros que, em seguida, infelicitaram as suas respectivas nações e outros povos com regimes que possibilitaram perseguições, prisões, guerras e milhares ou milhões de mortes.

Mesmo diante da falta de alternativas viáveis, em Sofia ficou a esperança da sobrevivência do filho restante. Acreditava em um futuro, ainda que incerto, a curto prazo, que poderia não ser, pelo menos, pior do que aquele que enfrentava, abrindo espaço pela continuação da luta, desesperada e a qualquer custo, pela vida do seu filho ainda vivo.

Pense, decida. A escolha de Sofia agora é sua !

(*) General-de-Brigada Marco Antonio Felicio da Silva
Jornal Inconfidência (Belo Horizonte/MG)
(marco.felicio@yahoo.com )




Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui