Usina de Letras
Usina de Letras
47 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->A dialética anti-semita atual -- 25/01/2011 - 17:55 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
A MÁSCARA DO INTOLERANTE

Atribuir a Israel, de forma artificial, intenções malévolas ilustra bem o anti-judaísmo de hoje em dia.

BEATRIZ W. DE RITTIGSTEIN | EL UNIVERSAL

Terça feira, 25 de janeiro de 2011 - 12:00 AM

Todos os governos e suas políticas são suscetíveis a críticas; mas, quando estas críticas são feitas com base em mentiras, é óbvio que o resultado, mais do que levantar uma opinião, é a busca de um objetivo malicioso.

Num recente programa de rádio, o vice-ministro venezuelano para a África, Reinaldo Bolívar, disse: "O Sudão, o maior país em extensão da África, está a ponto de se separar por uma política das multinacionais... Um dos elementos envolvidos é o sionismo. O sionismo interveio para livrar a guerra de Darfur, no interesse do rio Nilo. 90% de suas águas passa pelo Sudão. A Israel interessa as águas do Nilo".



Ora, o mapa acima nos mostra a impossibilidade física de Israel, situado no Oriente Médio, ter acesso às águas do Nilo, que nasce em Burundi, no meio da África para desaguar no Mediterràneo, por seu delta no Egito. Atravessa de sul a norte o centro do Sudão, a milhares de quilómetros de Israel e flui para o Egito que, apesar de ter fronteira com Israel, o rio está distante e separado pelo deserto costeiro do mar Vermelho, pelo próprio mar Vermelho, e pela península do Sinai. Cabe destacar que esta última foi reintegrada em duas ocasiões ao Egito; uma, após a Guerra de Suez, em 1956; e a outra, depois que Israel a retomou na Guerra dos Seis Dias, em 1967, e a devolveu pelo tratado de paz assinado com o Egito em 1979.

A guerra de Darfur irrompeu em 1983, quando Cartum impós a lei islàmica e os do sul, de maioria cristã e animista, se rebelaram. O conflito é complexo pela variedade de etnias na área, cada uma com suas próprias exigências.

Atribuir, pois, de forma artificial e mentirosa, a Israel e ao sionismo intenções malévolas, sem qualquer conotação com a realidade geográfica, histórica, ou política, constitui uma clara ilustração do anti-semitismo atual, que disfarça esse sentimento doentio de estendê-lo, demonizando Israel como a raiz de todo o mal.

bea.rwz@gmail.com

TRADUÇÃO DE

Francisco VIANNA

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui