Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Sob a cultura do destrabalho -- 07/10/2011 - 09:48 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Sob a cultura do “destrabalho”

                                                                               Carlos Lúcio Gontijo

         

          Estamos estupefatos com a desfaçatez com que as elites brasileiras vêm tratando os graves problemas nacionais. Mais parece que a classe dirigente age como se tivesse os olhos voltados para o aeroporto, com passagem comprada e possibilidade garantida de deixar o país a qualquer momento, pois não cremos que ela se ache disposta a habitar o inferno da violência urbana (fermentado na insistente ganância em torno da distribuição anticristã de rendas e riquezas!), ambiente originário de uma guerra civil não admitida oficialmente, mas que mata muito mais que qualquer conflito armado mundo afora.

          Infelizmente, o povo não sabe nem imagina quanto nossas elites dilapidam os cofres públicos nacionais por meio de manobras aparentemente lícitas. Inúmeras são, por exemplo, as associações, agremiações e entidades socioculturais e filantrópicas que recebem o título de utilidade pública e que servem de mecanismo para auferir vantagens imorais e descabidas.

        Dói-nos a propagação irresponsável do noticiário dos meios de comunicação, que colocam os morros e favelas como redutos de marginais, que ali são minoria. A realidade, pelo contrário, é que reside nos lares das camadas mais pobres toda a reserva moral de que dispõe o Brasil, cujas elites ainda se rendem a imposições estrangeiras e permanecem trocando, traiçoeira e vaidosamente o ouro pelo espelho. Isto sem falar na existência de cidadãos laureados, políticos festejados e jornalistas renomados que, a cada crise econômica mundial, torcem para que o nosso país seja atingido.

       Numa atmosfera social assim disforme e amorfa, não é de causar espanto que, diante do amontoado de processos à espera de julgamento, o Supremo Tribunal Federal (STF), que anda pleiteando aumento de salário e se nos apresentando avesso a qualquer mecanismo de controle sobre sua atuação, se tenha tornado mestre em matéria de acumular benefícios, benesses e regalias. O STF possui 11 juízes e 1.674 funcionários efetivos, além de mais 1.148 terceirizados, perfazendo média de 256 servidores para cada juiz, que, devido à incontida insegurança pública, têm à sua volta 435 seguranças.

          Ademais, por se sentirem confinados no seu castelo, onde realizam profícuo trabalho em prol da paz legal e da manutenção do democrático estado de direito da nação brasileira, possuem 239 recepcionistas sob o objetivo de bem receber os visitantes. Dessa forma, talvez por tanto palestrar e discursar sobre seus enobrecedores feitos, nossos superiores juízes passaram a sofrer de avassalador desgaste dentário, levando-os a despender, só no ano passado, 16 milhões de reais com assistência médico-odontológica, segundo artigo publicado no jornal O Globo (27/09/2011), de autoria do professor Marco Antônio Villa.

          Estamos para enfrentar, no mês de outubro do ano que vem (2012), novo período eleitoral, tempo de muito blá-blá-blá e marketing politico. Tomara que nós, povo brasileiro, não elejamos representantes que jamais tiveram carteira de trabalho assinada ou que levaram a vida na flauta, no exercício de algum cargo público, sem jamais comparecer em sua seção de “labuta” desprovida de serviço e função produtiva.

          E o pior é que essa espécie de gente anda por aí pregando moralidade, ocupando postos importantes, infelicitando pessoas e agindo como se fosse carrasca do cidadão trabalhador, honesto e de bem, que ao aposentar-se é rebaixado a ente social de segunda categoria e obrigado a assistir, completamente perplexo, ao corte de 30/40% no valor de sua aposentadoria, com base no draconiano fator previdenciário criado no governo Fernando Henrique Cardoso.

         A sociedade brasileira só não sucumbiu ao mau exemplo de comportamentos tipo reality show de nossas elites dirigentes porque os maltrapilhos desse nosso país, os que lutam pela sobrevivência honrada, insistem na crença de que é melhor ser pobre ou remediado e “morrer limpinho” que arrebanhar bens e riqueza à custa da miséria alheia, num país do jeitinho, do endeusamento à esperteza, da louvação a falsos valores e do levar vantagem em tudo, a tal ponto que, entre nós, quem trabalha honestamente não tem tempo de ganhar dinheiro. É como se tivéssemos inventado e vivêssemos sob a cultura do “destrabalho”.

          Carlos Lúcio Gontijo

          Poeta, escritor e jornalista

        www.carlosluciogontijo.jor.br

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui