Usina de Letras
Usina de Letras
10 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5420)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140789)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Herança maldita do Partidão -- 12/01/2012 - 14:48 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

HERANÇA MALDITA DO PARTIDÃO

Nivaldo Cordeiro

12/12/2011

Ontem eu olhava os canais de TV e parei vendo a GloboNews, programa Painel. A trinca de "especialistas" (Paulo Francini, Silmão Silber e Juan Jensen), ancorada por William Waack, debateu no primeiro bloco as decisões européias da semana passada. Todos eles infelizes com a inflexibilidade da senhora Angela Merckel, que não quer ver o Banco Central europeu transformado em emprestador de última instância e sancionador da irresponsabilidade fiscal dos parceiros quebrados. Mais que ninguém a Alemanha sabe do valor indelével de uma moeda saudável.

No segundo bloco foi analisada a situação do Brasil. E aqui foi a minha grande surpresa quando Paulo Francini, criticando os demais especialistas, reclamando da desindustrialização do Brasil, clamou por um "plano" de salvação da indústria nacional. Isso mesmo! O velho e malfadado "plano", a varinha de condão de todos os comunistas mundo afora. A Fiesp será talvez a mais vetusta instituição infiltrada pelas teses do Partido Comunista, que sempre fez do "plano" a mola mestra da ação econômica estatal.

Por que há desindustrialização? Por razões conhecidas:

1- A China, usando da sua imensa reserva de mão de obra, simplesmente deslocou as plantas industriais do mundo para seu território. Lá o Estado, paradoxalmente, tributa pouco, o mercado de trabalho é desregulamentado e os trabalhadores ganham bem pouco. Compensa aos empresários atravessar o globo para lá produzir. Isso retirou plantas industriais inteiras do Brasil;

2- A política cambial do governo do PT descobriu as delícias do câmbio valorizado, ancorando a baixa taxa de inflação. O partido sabe que a perda de controle sobre os preços pode lhe custar o poder político. Aproveitou o momento favorável dos preços da commodities e afrouxou a política fiscal. O impacto nos preços só não é corrosivo ainda porque o câmbio segura tudo. Ninguém sabe até quando.

O que o "plano" teria a fazer contra isso? Nada. Paulo Francini e sua Fiesp avalizaram Lula e o PT e não podem pleitear mudanças na política salarial, bem como na política do mercado de trabalho enrijecido, tão cara aos sindicalistas da base do governo. A inflexibilidade do mercado de trabalho é total. Não há também como ter surpresas na taxa de câmbio, pois o sistema de metas de inflação tem  se mostrado bom para administrar conflitos e permitido a navegação em meio à crise.

O tal "plano" pleiteado teria portanto o encargo de fazer o que essa gente da Fiesp sempre quis e pleiteou: reserva de mercado, barreira tarifária e subsídios estatais para o suposto "desenvolvimento" industrial. O velho filme dos anos cinqüenta. Claro que os tempos são outros e tal receita não tem sequer condições de ganhar respeitabilidade política.

Paulo Francini e seus pares não discutem o único caminho possível, o de repensar o Estado social-democrata ossificado, que transformou a população brasileira em rentista do Estado. A supertributação vem nesse processo, outro vetor a tirar competitividade da indústria nacional. Reduzir a regulamentação no mercado de trabalho, amenizar a necessidade de financiamento externo pela elevação da taxa de poupança e liberar os forças de mercado são as únicas bandeiras sensatas, mas Paulo Francini nem opinou sobre essa possibilidade. Ficou apenas no mágico "plano", como se essa loucura não tivesse sido completamente desmoralizada desde o naufrágio da ex-URSS.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui