Usina de Letras
Usina de Letras
34 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62386 )

Cartas ( 21335)

Contos (13272)

Cordel (10452)

Cronicas (22545)

Discursos (3240)

Ensaios - (10442)

Erótico (13578)

Frases (50774)

Humor (20067)

Infantil (5484)

Infanto Juvenil (4802)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140863)

Redação (3319)

Roteiro de Filme ou Novela (1064)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1962)

Textos Religiosos/Sermões (6231)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cartas-->Carta a Mr. Hyde (I) - alterada -- 24/02/2006 - 18:10 (Nicola Aliberti) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

Não sei se esta carta chegará à sua mão, Sr. Hyde. É praticamente impossível que nos vejamos algum dia, ou noite. Nosso destino é tal que não pode nos permitir tal encontro. Por enquanto sou eu quem está falando; em breve, porém, não serei mais. É o Sr. quem avança. Sorrateiramente vai ocupando os mais distantes recantos de minha alma. Já não pareço comigo. Não sou eu. Tua entrada em cena faz-me voltar ao animal que a humanidade tanto lutou para superar. Volto a ser aquele bicho, instinto puro de sobrevivência, que come e copula como uma besta em busca da perpetuação da espécie. Já não distingo bem ou mal, não sou capaz de ter um perfil moral. O Sr., Mr. Hyde, é o pesadelo de muita gente como eu. Só que nos visita com nomes e caras bastante diferentes. O Sr. é um alter ego para as cabeças sufocadas pela racionalidade e sujeitas à perda da autonomia, como Frankenstein. És produto do gênio científico, mas também fruto de meus desejos naturais mais fortes. Por isso, Sr., escrevo antes de ter bebido toda a química que trará teu domínio absoluto sobre mim. E quando consolidares tua presença, não mais este que lhe escreve estará aqui. Rogo- e espero- ter forças para conter a fúria de teu assédio. Temo que sejas, também, só mais um dos meus complexos de culpa, com mais um disfarce. Às vezes tua sombra vem com as vestes de um duplo. Um anti-nicola à espreita, pronto pra tomar meu lugar. Mas tenho notado que o Sr., quando se avizinha, percebe que estou em dúvida sobre quem eu penso que sou. Se me canso de meu ser, uso o Senhor, Mr.Hyde, exatamente como fazia meu amigo, o Sr. Jekill, em sua desesperada fuga. Tenho pouca esperança numa resposta, sabendo de sua incapacidade para articular um mínimo de discurso racional na imersão de tal animalidade. A sorte está lançada. Adeus.


Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 4Exibido 831 vezesFale com o autor