Usina de Letras
Usina de Letras
65 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59656 )

Cartas ( 21253)

Contos (13324)

Cordel (10319)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9535)

Erótico (13486)

Frases (47208)

Humor (19423)

Infantil (4618)

Infanto Juvenil (3936)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138764)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5656)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Infanto_Juvenil-->REVELAÇÕES - PARTE XV -- 20/02/2007 - 22:15 (Angellus Domini) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
REVELAÇÕES – PARTE XV


Tatyana segurou o braço de Pedro com toda força que conseguiu. As mãos dele estavam no pescoço de Leonjd. Cinco monges estavam estraçalhados no chão. Pedro parecia um animal predador depois da caçada. Sangue por todo o corpo. Ele olhava para Leonjd com fúria. Mas esta fúria ele não sabia de onde veio. Ela simplesmente toma conta dele. Sente prazer em matar. Sua alma se aquece a cada um que vê tombar sem vida perante ele.

Mas o toque de Tatyana o parou. Ela parecia dominá-lo, domar a fera que existia dentro dele. Suas mãos relaxaram do pescoço do abade, que cai desfalecido à seus pés. Tatyana o conduz por extensos corredores, conduzindo-o pelo labirinto que aquele prédio formava assim como Ariadne conduziu Teseu. Era estranho como ela conhecia aqueles caminhos, mas Pedro não pensava em questioná-la naquele momento.

Quando saem, a luz da lua faz o sangue sobre o corpo de Pedro brilhar, tornando-o mais vivo. Suas mãos e seu rosto estão vermelhos. Ele leva a mão ao rosto, e sem que Tatyana perceba, lambe o sangue ainda fresco de suas mãos. Ele é quente, Pedro não sente nojo, mas uma sensação de conforto. Mas não sabe por que fez aquilo. Mas sente um imenso prazer em fazê-lo.

Estava casado, faminto, exausto. O ato todo lhe cansara. Matar lhe cansara fisicamente. Mas tinha gostado muito de fazê-lo.

Tatyana olha o estado de Pedro, está sujo de sangue. Muito sangue. Ela sempre medo e pena ao mesmo tempo. Aproxima-se dele e da-lhe um beijo na boca, mas recua rápido ao sentir o gosto do sangue que escorre em seu rosto. O sangue de seus irmãos monges. Sangue derramado pela missão. Mas também sangue derramado por culpa dela.

Tatyana chora e foge. Não existe onde ela pode ir. Ela esta sozinha agora. Leonjd se foi. De seus companheiros de missão, Jgor também se foi, e Catarina está em coma. Ela esta sozinha. E sabe que Pedro vai procura-la. Ela sofre mais ainda, porque quer que ele a procure. Ela o ama. Ela o despreza, conhece seus segredos, sabe que ele é, mas o ama. E o deseja. Sabe que não pode fugir dele para sempre.
Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui