Usina de Letras
Usina de Letras
45 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59666 )

Cartas ( 21255)

Contos (13325)

Cordel (10320)

Crônicas (22226)

Discursos (3169)

Ensaios - (9537)

Erótico (13486)

Frases (47215)

Humor (19420)

Infantil (4627)

Infanto Juvenil (3940)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1340)

Poesias (138779)

Redação (3078)

Roteiro de Filme ou Novela (1061)

Teses / Monologos (2432)

Textos Jurídicos (1946)

Textos Religiosos/Sermões (5659)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Contos-->Indiferença e Poesia -- 17/09/2001 - 13:57 (Anderson Borba Ciola) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Hoje eu acordei de mal com a humanidade. Vivo um desses dias em que todas as razões de felicidade se tombam diante do mais poderoso fenômeno da natureza humana: a tristeza. Enfim, dobro meus joelhos e admito que esta manhã está para a depressão, como a noite passada esteve para a insônia.
Pois bem, posta acima do bem e do mal, a tristeza é uma sensação nobre, serena. Pelo menos a considero assim. Já a depressão é dissimulada e metódica - como um ácido que corrói dissimuladamente os tecidos desprevenidos do bem estar. Ah! Caros amigos! Esta última não prima pela elegância. Pelo contrário, adota sempre os mesmos adornos repulsivos - boca amarga, pele sebosa e olheiras suplicantes - em rostos sempre desfigurados pela apatia. Entre outras coisinhas, a depressão também aprecia despedidas melancólicas e lamuriantes:
- Adeus esperança de triunfo! Adeus auto-estima e - não menos importante – adeus sentimento de amor recíproco para com os seres vivos em volta de si!
No entanto, salvo esses detalhes meramente estéticos, não há tanta distinção entre uma e outra, ou seja, a depressão e a tristeza. São, naturalmente, farinhas do mesmo saco!
No entanto, sequer almejo conhecer a natureza dos meus sentimentos e, no final das contas, isso e me é indiferente! Hoje eu poderia mandar o mundo às favas, seria ótimo não? Mas, devo confessar, não tenho motivo, nunca tive, e ainda se tivesse, preferiria ver o circo pegando fogo de longe, muito longe. Mas por quê cogitar essa possibilidade? Afinal sou um ser racional e, por isso mesmo, tento a todo custo ver uma razão para tudo o que se passa em minha volta. Mas o que dizer então dessa tristeza, ela é racional? Uma vez que me considero tão privilegiado, tão afortunado e, sobretudo, tão feliz!
Há quem diga que a felicidade jamais se materializa de forma realmente plena, ou seja, de acordo com os conceitos preestabelecidos pela racionalidade. Ah! A felicidade... Esse tosco foguinho de palha na noite gelada da existência! Alguma vez, sua presença, assim como a da tristeza, se deu com anuncio prévio? Tão pouco com o mais remoto motivo aparente? Acredito que ambas não apreciam os racionalismos...
Enfim, a felicidade dificilmente leva em conta os verdadeiros triunfos ou os insucessos no jogo ou no amor. De natureza autótrofa, ela simplesmente aparece sem cerimônias, de camisolas e tamancas levantando poeira para nossos débeis olhinhos de homo sapiens. Então, se tanto a tristeza, como a felicidade são sentimentos aleatórios e dispersos, como podemos definir este estado de espírito indiferente em que vivemos a maior parte do tempo? Será que é a indiferença o nosso semblante natural? E mais! Por quê, de tempos em tempos, caprichosamente e ironicamente, ela nos empresta essa discrepante dupla de fenômenos à alma? Ou seja, a depressão e o orgasmo.
A bem da verdade, hoje eu acordei mais cedo que o de costume. Talvez jamais tenha adormecido realmente. Então será esse o motivo do mau humor, por que não? Acredito também que meu espírito seja um tanto susceptível aos estímulos materiais. Não seria exagerada a afirmativa de que passo a maior parte do tempo fazendo coisas que não aprecio, como se, a partir delas, o mundo me abençoasse com as verdades que realmente me dão prazer.
E assim, nos intervalos dessa luta vazia, dou ao luxo de sentir-me excitado ou deprimido - isso quando estou por demais saturado desse estado de espírito indiferente.
Hoje vejo claramente que só a indiferença e a ignorância constroem. De resto, há somente obtusa neblina e carros atracados adiante dos bois - fora o tumultuo, o caos e, enfim, a poesia.

* * *

Estava passando pela mesma rua YY com o costumeiro e descontínuo passo de quem não tem e não sabe onde quer chegar. É claro que isso já fazia parte da minha rotina, afinal quem era eu para chegar em algum lugar ou fazer qualquer coisa que não fosse a entrega deliberada e insana aos mais débeis e pouco construtivos pensamentos?
Na verdade a idéia da ação, seja qual fosse sua natureza, me aterrorizava. Até o amarrar de sapatos ao longo da caminhada, quase sempre entre um beco inútil e uma esquina sem propósito, já acelerava meus batimentos cardíacos. Como se aquela tarefa fosse algo que colocasse minha existência à prova.
E desse modo a inércia consumia meus dias, a totalidade deles, ainda que passasse a maior parte do tempo caminhando. Com o passar do tempo comecei a perceber que os transeuntes aos quais eu cruzava no caminho não me dirigiam senão um olhar de indulgência.
Acostumado à indiferença do mundo, comecei a me sentir ferido por aqueles estranhos que, aparentemente, julgavam-se em condição superior a minha. Isso me irritava, afinal considerava-me o mais superior, o mais inteligente e o mais correto ser humano a habitar o vilarejo de XPP.
E passaram-se algumas noites, algumas de insônia, outras de sonhos leves como a bruma. Não posso dizer que a natureza do meu espírito tenha mudado muito ao longo desse tempo. Somente digo que as coisas ao meu redor mudaram. Hoje em dia, a oscilação natural entre a indiferença, a tristeza e a felicidade passam por minha ótica com a sutileza de uma canção de bossa-nova, ou seja, tão naturais quanto complexas. Não que eu tenha adquirido total conhecimento da ordem musical que rege os acordes de minha existência, muito pelo contrário, digo que a desconheço mais ainda. No entanto, admito que passei a encarar os fatos como as variações do tempo e as pessoas como as pombas. Ou seja, neblina de manhã é sinal de sol pela tarde e, por mais tentação que sofra, jamais passo embaixo de um fio de alta tensão em que haja pombas dormitando.
Também cheguei a conclusão de que o pragmatismo nada mais é do que recurso ultra-utópico usado pelos românticos depois de inúmeras vezes, algumas conscientemente (!), lançarem seus burros n’água. Enfim, a alma pragmática já tem seu burro premeditada e antecipadamente lançado às margens do rio do fracasso. Sendo que todo o conjunto de seus raciocínios e ações não representa mais do que mero esforço de retaliação à realidade, ainda que eles estejam utilizando a própria realidade para tal!
Enfim, naquela noite eu não dormi realmente. O barulho da cidade – ranger de motocicletas e gritos agudos de adolescentes histéricos – me imprimia a sensação de que eu realmente não pertencia àquele lugar, tão pouco gostava dali e, pior ainda, que lá estaria irremediável e completamente sozinho.
Não que a solidão seja a coisa mais enervante que um ser humano possa suportar. Existem coisas bem piores, tais como indiferença. No entanto a indiferença é muitas vezes provida pela própria solidão. Sendo assim, posso dizer que minha existência parecia estar em queda livre e, o que é pior, eu torcia para chegar logo ao fundo do poço. Talvez eu estivesse a fim de nadar um pouco, afinal, a queda estava sendo longa e cansativa. Mas por uma razão que desafiou profundamente meu pragmatismo, eu levantei, abri os olhos e, estupefato, me deparei com sua imagem. Você sorria para mim...

Comentarios
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui