Usina de Letras
Usina de Letras
47 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Só o populismo salva -- 05/04/2013 - 10:49 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
04/04/2013 - 03h00

Só o populismo salva

sérgio malbergier

A economia brasileira cresce pouco, muito pouco, no governo Dilma. O grande problema é o investimento. Dilma precisa de um João Santana para conquistar também os empresários-investidores, ou não vamos muito longe como pensávamos que iríamos não muito tempo atrás.

Depois de séculos de frustração, fomos logo concluindo que o país do futuro tinha finalmente chegado ao presente. A sequência FHC-Lula, de 16 anos, fechou o consenso em torno da democracia e do capitalismo e destravou o país.

Ao final do governo Lula, crescíamos a 7,5%. Mas aí veio Dilma, eleita no dedaço de Lula: na verdade, eleita pelos frutos do capitalismo brasileiro brilhantemente capitalizados pelo PT.

A candidata da continuidade assumiu o poder e descontinuou a bem sucedida política econômica que herdou.

Ao contrário de Lula, Dilma briga com o mercado financeiro e com setores empresariais quando mais necessita deles. A falta de investimentos estanca o país. O Estado não consegue investir com eficiência, como mostram o PAC e o pré-sal, e são justamente os empresários e o mercado que os financia que podem e devem assumir esse papel.

O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), lançado em 2007 por Lula e Dilma, não consegue entregar o muito que o país precisa, como mostram os gargalos expostos da infraestrutura brasileira.

A Petrobras, acorrentada por má gestão e interferências danosas à sua atividade-fim, não consegue explorar o pré-sal como o pré-sal deveria ser explorado. Mas a modelagem de exploração arquitetada por Dilma excluiu as empresas privadas, ao invés de deixá-las investir na difícil e custosa extração e depois cobrar pelo óleo extraído.

São exemplos claros da indisposição da presidente com setores seminais do mercado e dos empresários-investidores.

Mas o pibinho está se impondo, e o governo vem tentando uma abertura para os capitalistas e para o lucro privado, mesmo a contragosto.

A falta de confiança dos empresários-investidores, porém, é tanta que será preciso um grande marqueteiro para acertar a comunicação com esse setor seminal da economia.

Ao contrário de Lula, pai dos pobres, mãe dos ricos, o governo Dilma até aqui só soube (ou só quis) falar bem com as massas eleitorais. Nisso acerta de forma genial, mérito de um partido eficiente e com visão precisa dos anseios sociais.

Mas se não acertar o diálogo com o chamado andar de cima, as coisas mais cedo ou mais tarde vão se agravar.

Há sinais de perigo por toda parte: investimento estagnado, inflação em alta, crédito desacelerando, saldo comercial encolhendo.

Mas o emprego e a renda seguem fortes como nunca antes na história do país, a arrecadação de impostos é voraz e enche os cofres públicos, há espaço para endividamento.

Com programas sociais cada vez mais abrangentes, não é difícil manter por alguns anos a satisfação pessoal das massas, que ainda carregam na memória coletiva séculos de sofrimento e exploração desembestada.

Dilma assim reina absoluta, do alto de sua impressionante popularidade, distribuindo benesses à custa das empresas e dos contribuintes em geral.

Do jeito que estão as coisas, só o populismo salva (o governo).

"Sérgio

Sérgio Malbergier é jornalista. Foi editor dos cadernos "Dinheiro" (2004-2010) e "Mundo" (2000-2004), correspondente em Londres (1994) e enviado especial da Folha a países como Iraque, Israel e Venezuela, entre outros. Dirigiu dois curta-metragens, "A Árvore" (1986) e "Carô no Inferno" (1987). Escreve às quintas no site da Folha.

 

Obs.: Aos leitores que recebem automaticamente os textos postados por mim em Usina de Letras, e que não conseguem abrir os links da relação de títulos, sugiro que acessem o endereço abaixo - http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM (F. Maier).

 

Leia os textos de Félix Maier acessando o blog e sites abaixo:

PIRACEMA - Nadando contra a corrente

Mídia Sem Máscara

Netsaber

Usina de Letras

 

Para conhecer a história do terrorismo esquerdista no Brasil, acesse:

Wikipédia do Terrorismo no Brasil

 

"Quando todas as armas forem propriedade do governo e dos bandidos, estes decidirão de quem serão as outras propriedades" (Benjamin Franklin).

 

Escracho

O Palácio do Planalto amanheceu com uma faixa no topo do prédio:

"AQUI VIVE UMA TERRORISTA"

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui