Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Cabaça, cuia e coité -- 30/09/2013 - 01:38 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Cabaça, cuia e coité

Veio o plástico e acabou com tudo. Se resiste algum desses objetos, é pelo

esquecimento, ou porque dura mais. Bem cuidado, que fique aclarado.

Na cuia levava-se e se lavava o arroz, por exemplo. E como era fácil segurá-la pelo

cabo, bem roliço, ao alcance de qualquer boa empunhadura.

O coité, ou será cuité?, esse era meio coco, geralmente com um `olho` ou dois

simulados, quando não era a outra metade, com o olhinho já furado. Servia para

pescar água do pote. Ou quando se levava o pote à cabeça, junção amaciada pela

rodilha, o coité é que se colocava, como um barquinho, na superfície da água para, na

ponta das ondas, reduzir-lhe as quedas.

Já a cabaça, seria pra guardar cachaça? Água boa não ia pra cabaça a toa. Era na

bilha, ou `bia`, que de lá se a bebia. Frisquinha.

E ainda se diz que o mundo ficou mais prático. Ou mais plástico? Só falta ver os

homens da remota Nova Guiné, ou Papuásia, trocarem as cabaças afiladas e longas -

com que ritualmente mantêm seus membros de pé e embainhados - por tubos de PVC.

Tubo é possível.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 86 vezesFale com o autor