Usina de Letras
Usina de Letras
68 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Iaiá, cadê o vaso? -- 05/10/2013 - 17:38 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Lindo sucesso carnavalesco de muitas décadas que, creio, seja do Ataulpho Alves. Se não

for, paciência, não há de perder a beleza. Mas não é de vaso que pretendo falar, muito

embora a Iaiá desta estória fosse uma flor. E não dessas comuns que vemos todos os dias.

Rara e delicada, antes de mais nada.

Iaiá chamava-se mesmo Lizaura. E não seria então de estranhar que tivesse irmãs

denominadas América e Ofélia. E pode ser até que cantasse, feito um rouxinol, mas não

peguei esse fase, se é que houve. Terá cantado canções de ninar pra sua Neném, como

convém, mas não é de meu tempo também.

O que alcancei, foi sua fase falante, que bem guardei. Era compassada e aveludada a sua

voz, refletindo uma educação carinhosa e esmerada tivera naquelas Gerais de que não se

ouve mais. Arrematava suas frases, geralmente perguntas, com um "não sabe"? que nunca

mais ouvi doutra fonte.

Fredo, o marido, provinha de uma numerosa prole onde era o caçula dos homens. Bonitão

e folgazão, há de ter sido sua vera paixão. Era maquinista da Central do Brasil, admirador

da cidade maravilhosa, de uma cachaça e do infalível rapé, que oferecia generosamente aos

visitantes, adultos e meninos. Tendo vindo do campo pra cidade, nunca deixou esmorecer

o espírito, aprendendo com entusiasmo nas leituras e conversas o que não alcançara nos

livros. Era fã da geografia, dos conhecimentos gerais - e de um bom queijo, senão a gente

não acaba mais.

E a casa deles era um brinco de limpeza e cuidados, o que não impedia a cachorrinha

pequinesa de ali reinar com toda sua realeza. Espaço mais confinado era ao louro reservado,

mas que é de que ele ficasse calado?

Hora da macarronada praquela cambada de visitantes, não sabe?
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 141 vezesFale com o autor