Usina de Letras
Usina de Letras
58 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Colchonirico -- 11/10/2013 - 13:25 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Colchonírico

Não chegava a ser feia aquela casa. Era como muitas outras que se alinhavam,

disformemente, em volta da igreja matriz. Paredes, telhado, porta, janelas e até

um alpendrezinho. O que lhe pegava mal talvez fosse a cor, aquele cinza que não

sorria. Também, a própria matriz, imponente e sobranceira, lhe dava as costas e lhe

projetava sua longa sombra, apesar de ela, a casinha cinza situar-se já bem no alto da

ladeira.

Os seus morenos residentes, embora a Deus tementes, formavam uma família de

colchoeiros e volta e meia estampavam a frente da casa com algum de seus produtos,

de panos listrados e capim, prontos a serem recolhidos. Não parecia faltar freguesia

ou o capim que o seu sono recolhia. Mas era também um negócio pouco elástico, pois

os colchões costumavam ser duráveis e a população do velho dormente burgo serrano

vinha se mantendo estagnada desde os tempos em que ouro parara de afluir - tempos

do onça e, agora, nem de uma onça ao menos. No máximo pepitas, y ya bien raritas.

Nos fins de semana era possível vê-los à janela, no alpendre ou mesmo na igreja,

em trajes domingueiros, e menos colchoeiros. O seu traço comum eram os olhos e os

cabelos negros que, ainda que luzidios, traíam e traziam aquele ar lúgubre da casa

cinza.

Um dia, mesmo sob a sombra protetora da matriz, aquela casa pegou fogo e, por um

triz, de escapar ilesa a família póde se sentir feliz. Alguma faísca aproveitara a secura

do capim, ou quiçá, foi só um sonho ruim.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 83 vezesFale com o autor