Usina de Letras
Usina de Letras
65 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Do boteco pro bar do Teco -- 22/10/2013 - 10:26 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Do boteco pro bar foi o Teco mudar. E não num tico, mas em dous tempos porém, pra

não estafar. E tudo ali do lado de cima da pracinha da estação e da fábrica do povoado

de São Gonçalo do Brumado.

O boteco era miúdo, singelo e a lembrança que a ele me prende é de ver, e cobiçar, entre

as miudezas expostas na vitrine do balcão, os cadernos escolares "Avante", o chaveiro

a que se chamava comumente de "pegadó" e os bonés da aba espelhada. Sem lograr

meus intentos imediatos de terceiro grau, contentei-me com um par de bolinhas de gude

que a venda de garrafas vazias, e laboriosamente por mim asseadas, havia produzido.

Transação toda efetuada no próprio boteco do Teco. Que, aliás, era parente, de terceiro

ou quarto grau.

Já o bar, ah, o bar era mais espaçoso, tinha mesas e cadeiras espalhadas, mesa de sinuca,

a geladeira enorme, horizontal, de onde saíam os picolés, os sorvetes e as cervejas

que a homaiada do vilarejo consumia e, que para deixarem o registro de seus feitos,

dipelavam os respectivos rótulos que se soltavam com facilidade assim que a garrafa

começava a "suar", e o passavam para o forro de madeira verde no teto do bar. E do

piso de vermelhão a gurizada - e se quisesse também a muierada - podia apreciar aquele

espetáculo inusitado bem acima de nossas cabeças, de rótulos de cerveja colados no

teto, como se fosse um ceuzinho particular, estrelado aquele bar.

Nunca cheguei a ver a materialização de uma ação daquelas, mas minha suposição é de

que a mágica se produzia com a ajuda de um lenço de bolso, dobrado, bem empapado

de umidade, sobre o qual se colocava o rótulo virado com o respectivo traseiro para o

forro verde.

E o bom Teco, cujo nome, pelo visto, era Evaristo, mantinha-se impassível, servindo

a freguesia, rodeado das suas muitas filhas moças que, na falta dum filho varão, em

mutirão, nunca o deixavam na mão. E enquanto acumulavam um modesto tesouro

quiçá, distraído o olhar do pai, se arriscavam a algum namoro, sem porém perderem o

bom decoro.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 97 vezesFale com o autor