Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Dito Nove Hora -- 22/10/2013 - 10:33 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Dito Nove Hora, o carroceiro que morava numa das apertadas e tortuosas poucas ruas

que circundavam o cemitério. Dito era o diminutivo de quem sabe Geraldo, Raimundo

ou Benedito mesmo. Mas seria mais difícil ser Benedito, pois esse nome geralmente

era reservado, quase privativo, de pretos, em razão da tradição, devoção e a

identificação com o Santo Padroeiro.

Mas Nove Hora, assim no singular, como explicar? Bem, quem conhece a

expressão "cheio de nove-hora", e ainda conhece o Dito, fica o dito pelo não dito, e

nem precisa de mais escrito. Por outro lado, haverá alguém que não conheça a dita

expressão? E aqui, nem me arrisco, ou perco tempo em ir ao Aurélio: quer dizer

enrolador, embrulhador. Senão, não tá com tudo esse Aurelhão.

E foi ao Dito que fomos um dia. Papai descobriu que ele tinha uma bicicleta à venda,

uma Gulliver verde, aro 28, com garupa e até um pneu meio-balão.

No alpendre do dito Dito, piso de vermelhão, as tratativas se estenderam por um bom

par de horas. Como o Dito era nove, ainda havia sete pra gastar. Juntaram-se uns

vizinhos, e entre eles até o Jaú, que tinha também a sua bicicleta, uma calói, mal-
ajambrada, mas que tinha a sua serventia, quando menos pra se exibir pras moças

que adoravam ver um rapaz bem montado.

E papai acabou fechando o negócio, após o detido exame, o que não chegou a ser

muito complicado. O ponto essencial foi de se certificar que a bicicleta não tinha solda,

o que era indicativo de quebra no quadro e que, dizia-se, criava um defeito

permanente: assim como o que havia se passado com a bicicleta do Jaú, tortinha da

silva, a ponto de fazer o ciclista jogar-se para um lado a fim de estabelecer o equilíbrio

da máquina.

Olhamos, olhamos nas juntas e nenhum sinal de solda. Não pude experimentar a

bichinha apesar dos meus 15 anos e aquela vontade louca de montar porque não

sabia. Fê-lo por nós o Jaú, aprovando sem restrições.

Pra levá-la pra casa, que ficava praticamente a uma estirada de terreno, uma longa

descida e uma meia subida, aí foi na mão mesmo, empurrando, mas com o senso da

coisa quase possuída.

Já em casa, o negócio foi pedalar, usando a nossa rua, bem curta, mas ao menos

plana. E pra surpresa de todos, Bebel, foi quem aprendeu primeiro, usando suas

pernas longas e seu senso mais apurado de aventura. Eu levei mais tempo e em meio

a ele, um tombo ao chocar a roda dianteira com a calçada. Menos o susto do que a

vergonha. Dali pra frente, começamos a aprender a fazer curvas, mas bem mais

devagar. E foi aí que achamos o que não dissera o Dito: na hora de se girar a roda da

frente, se o pedal estivesse na posição dos ponteiros de um relógio às 9,15 aí o pé

externo tocava no paralama dianteiro. Sinal de que a bichinha ou fora concebida de

forma defeituosa ou que tivera o quadro encurtado por uma solda. O diabo é que a

solda havia sido tão bem feita - e coberta, que não havia como fazer a prova dos

nove. Do Nove Hora, pelo menos.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 103 vezesFale com o autor