Usina de Letras
Usina de Letras
63 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Dito efeito? -- 24/10/2013 - 06:28 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Quando na capoeira mal via um pau bem torto, vinha ao Dito a idéia direta: tava ali

um bom prospecto. E não sem razão. Carpinteiro de mão cheia, sem discussão. E

fazer carros de boi era pra ele até distração.

A `ciência` da carpintaria, aprendera-a mais por intuição. Dar aquele formato ao

enquadramento do carro de boi, semelhante a um garrafão, além da madeira no

àngulo adequado, carecia da melhor maestria. E disso, Dito sabia, desde noviço.

Com um machado bem afiado lá ia ele desbastando o tronco e lhe dando a forma

desejada, formando um par de arcos simétrico para os marcos.

Suava em bicas e o chapéu de feltro surrado e maltratado, quase esfarrapado era

o sinal mais pronunciado. Mas o tronco tava dominado. A seguir, as rodas também

da boa madeira ganhavam sua medida certeira, tábua por tábua. Tá boa? Tá de

primeira.

Trado, `verruima`, `foimão`, cada ferramenta tinha a sua ocasião de entrar em ação

e, apesar da pronúncia, saía tudo à perfeição.

Nos serviços de carpintaria doméstica também pontificava o dito Dito, sempre que

tempo lhe sobrasse entre um e outro `cadillac` sertanejo.

E foi numa de suas idas à nossa casa para examinar umas goteiras no telhado que,

tendo subido ao forro, deixou seu chapéu sobre a mesa que servia de escada de

acesso àquela subida.

Curiosos - e não com a marca do chapéu - pusemo-nos a experimentá-lo em todas

a nossas cabeças, até que chegou a vez do Beu que, afoito, direto o meteu, e deu

no que deu: a copa se soltou da aba, que se enterrava por baixo das orelhas do

traquinas.

Quando ouvimos os passos de Dito retornando de sua inspeção, maior não podia

ser a aflição para desencavar da cabeça de Beu o meio-chapéu que não era seu.

O que foi conseguido no apagar das luzes, cruzes! E mais um esparadrapo se

adicionou àquela cobertura, para ir protegendo a cachola do Dito, enquanto aos

troncos ia dando forma e rito.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 98 vezesFale com o autor