Usina de Letras
Usina de Letras
71 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->O Ducha -- 24/10/2013 - 14:23 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Ducha talvez se chamasse Càndido, mas não é mais que uma suposição baseada no

fato de que u`a provecta dama da mesma cidade, já no entardecer de seus anos - que

beirariam a centena - chamada afetuosamente era de Canducha. Dedução esdrúxula,

ou esdruxa? Duxa pra lá.

Voltemos ao Ducha já já. Sapateiro. Como uma boa dúzia de confrades na Velha

Serrana, que tinha até o seu sapateiro-empreendedor, self-made shoemaker, que

havia transformado sua sapataria em fábrica de calçados. Santa Helena ela, e ele,

Ósto. Praquê escrever certo, da forma americana, se todo mundo ia falar mesmo Ósto?

Era Ósto e casado com a Preta do Pedro Valentim. Que de preta tinha a morenice

acentuadamente sapoti.

Mas e o Ducha? Chegava a ser amarelo. Não sei se condição hepática ou se daqueles

anos todos encafuado naqueles porões que outrora abrigaram uma fábrica de móveis

e, ultimamente se converteram em modesta sapataria. Mas, pensando bem, aquele

amarelão não podia ser só falta de sol. Afinal o Ducha era entusiasta do futebol

e não havia domingo a que faltasse a um jogo, ou treino que fosse. E costumava

acompanhar o seu querido Oito de Maio nas suas excursões em cidades vizinhas. E

torcia, se contorcia, palpitava e sua opinião se valorizava.

Não chegava a perder missa por causa do futebol. Mas estou certo de que pecasse

na cobiça das vitórias do time ou no esculacho que passava nos pobres juízes ou

adversários. E compensava tudo na confissào regular das primeiras sextas feiras de

cada mês. De que era freguês.

Mas o resto era bater sola. E fazia manualmente os seus sapatos, com um par de

aprendizes mal-ajambrados. E era como ganhava a vida. Era tempo em que as

pessoas mandavam fazer sapatos. Contraforte, cabedal, atacador eram expressões do

dia a dia. Ainda que tanto sapato feio dali saía.

Lembra-me um par deles, feito sob encomenda para meu irmãozim, o Beu. Pra

enfrentar os pedregulhos no caminho da escola. Era uma miniatura de sapato de gente

grande. Caprichado, mas tortinho, mal-nivelado. Enquanto os pés ali entravam, o

sapato durava.

Das mãos de Ducha veio também meu par de chuteiras. Uma Nike flintstónica. Dura e

durável. Vai ver que é porisso que não fiz a carreira sonhada no esporte bretão.

Já o Beu não se queixava. Quebrou muita canela em pelada.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 78 vezesFale com o autor