Usina de Letras
Usina de Letras
63 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 60285 )

Cartas ( 21285)

Contos (13379)

Cordel (10352)

Cronicas (22252)

Discursos (3187)

Ensaios - (9687)

Erótico (13520)

Frases (48080)

Humor (19493)

Infantil (4787)

Infanto Juvenil (4142)

Letras de Música (5497)

Peça de Teatro (1344)

Poesias (139180)

Redação (3100)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2436)

Textos Jurídicos (1949)

Textos Religiosos/Sermões (5773)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Forma em formas -- 13/11/2013 - 13:13 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
Foram compradas juntas, ou em datas bem próximas, uma delas servindo de

chamariz pra outra: as formas de bolo "Imperial". Eram de alumínio, elétricas,

aquela resistência encaixada num disco de baquelite branco em seus fundilhos,

tinham dois ou três tipos de assadeiras circulares, pomposas tampas, e pomposas

às pampas.

Uma foi parar na casa de Vovó e de sua filharada solteirona (à época eram 4 moças

quarencinquentonas e um varão, todos empregados na fábrica de tecidos); e a

outra veio pra nossa casa, que tinha papai e mamãe, tão bem operários com sua

prole, proletários, já de petizes vários.

Lá em casa, pelo menos, foi um êxtase a recepção daquele novo utensílio culinário.

Uau, já dava água na boca imaginar os bolos que dali iam sair, além da carne a

assar, só pra reforçar o salivar.

Podiam ser aposentadas as nossas formas preteadas e já amassadas de latão e

a negra caçarola de ferro - até remendada - que vinham servindo à produção de

quitandas e de bolos, tudo na base da brasa - mora?

E se inaugurou a era "Imperial", em meio à nossa feérica expectativa. Acho que o

bolo de minha primeira comunhão teve ali sua confecção, é mister que eu faça esta

confissão. E pela gula, que ainda me açula, peço perdão - e vide bula.

De uso em uso - porém, e com certa restrição, como convém (afinal a energia

elétrica tinha um custo, além da quase certeza de fazer cair o fusível naqueles anos

de bruxuleante iluminação) a bela fórma foi perdendo forma e a pompa ao longo do

tempo. Chegou até a ser abandonada, ela também que ia recebendo os amassos,

riscos e trancos.

Sua irmã-gêmea, a da casa de Vovó, contudo, é que, tratada com o zelo de tia Rita,

bonita, manteve-se sempre faceira, ornando a prateleira. E quase virgem, diz lá

seu selo de origem. Assar bolo, que trabalheira, cousa de tolo, besteira.
Comentarios
Perfil do AutorSeguidores: 26Exibido 167 vezesFale com o autor