Usina de Letras
Usina de Letras
44 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62134 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10329)

Erótico (13566)

Frases (50542)

Humor (20019)

Infantil (5414)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140776)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Argentina : país-bandoneón -- 31/01/2014 - 08:28 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

 

 

 

 

Argentina: país-bandoneón

Marcos Troyjo

Nenhum objeto é tão representativo da Argentina quanto o bandoneón. Seu som é a trilha sonora do país. Vaivém que musicaliza diferentes estados de alma.

Útil metáfora da Argentina, sua economia e potencialidade. Expansão e contração que há 200 anos pontuam sua história.

A segunda metade do século 19 foi de grande arrancada argentina. O centro cíclico da economia mundial era Londres.

Subia a renda na Inglaterra pela produtividade industrial, elevava-se a demanda por bens em que a nação platina dispunha de vantagens comparativas.

A Argentina deliciava-se nas trocas ricardianas. Exportar commodities bastava. Em 1910, nossos vizinhos ostentavam a 10ª renda per capita mundial,

equivalente à da França. Hoje, isso significaria riqueza por habitante igual à dos EUA.

Converse com um portenho de mais idade. Ele dirá que cresceu na certeza de que seu país seria potência tão robusta quanto os EUA.

Atingira na década de 1890 acesso à educação fundamental que o Brasil só alcançou 100 anos depois.

Na imponente Buenos Aires, arquitetos europeus traçavam suntuosos "hôtels particuliers". Contavam-se tantos teatros quanto em Londres; livrarias de fazer inveja a Paris.

Até 1930, Deus era argentino. Desde então, a decadência singulariza o país. É a única nação que, com indicadores socioeconômicos comparáveis aos das mais avançadas, deixou de ser "desenvolvida".

Por que isso aconteceu ?

Nos 1940, Prebisch alertava compatriotas de que o mundo mudaria. Os EUA fortaleciam-se na condição de protagonista industrial --e, ao mesmo tempo, de principal potência agrícola.

Elites latino-americanas não conseguiriam manter padrão de vida e engrossar fileiras de classe média apenas com renda exportadora de commodities eternamente valorizadas.

Era "industrialização ou morte". Daí a política de substituição de importações. Em seu nome, novas e crescentes intervenções em toda economia. Se hoje o Ministro da Fazenda

ameaça fechar lojas que ajustam preços, decreto peronista de 1947 determinava quanto valeria os itens no cardápio dos restaurantes.

É toda uma história de distorções. Apoio a indústrias nascentes descambando para protecionismo setorial. Patriotismo confundido com nacionalismo.

Classe política que não é de esquerda ou direita, apenas fisiológica. Desperdício de extraordinários recursos físicos e humanos. Sociedade cara demais para o que produz.

Equívocos recentes somam-se às disfuncionalidades estruturais. Estranhamento com a banca internacional. Imaginada parceria com a China. Bolivarianismo

como visão de mundo. Regras do jogo instáveis. Ecossistema público-privado adverso à inovação. Em suma, receita segura de uma potência estacionária.

Com a atual crise, a Argentina tornou-se laboratório avançado do que não se deve fazer. Aprendamos com as valiosas lições do vizinho. Sem correção de rumo,

em futuro não distante o Brasil também corre risco de transformar-se num "país-sanfona" -- expandindo e contraindo à mercê da conjuntura internacional e da indefinição de estratégias.

Folha, 31.01.2014

mt2792@columbia.edu
 

 

Conheça o Estado policial fascipetista denunciado em livro por Romeu Tuma Jr., acessando:

 

http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/o-livro-bomba-tuma-jr-revela-os-detalhes-do-estado-policial-petista-partido-usa-o-governo-para-divulgar-dossies-apocrifos-e-perseguir-adversarios-caso-dos-trenes-em-sp-estava-na-lista-el/

Faça download do livro de Tuma Jr., ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES - UM CRIME DE ESTADO, clicando em

http://liciomaciel.wordpress.com/2014/01/15/tuma-jr-livro-download

A transcrição do livro de Tuminha pode ser vista em http://pt.slideshare.net/CelsoDaviRodrigues/livro-assassinato-de-reputaoes-tuma-junior

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

1) Mídia Sem Máscara

http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html

2) Piracema - Nadando contra a corrente (textos mais antigos)

http://felixmaier.blogspot.com/

3) Piracema II – Nadando contra a corrente (textos mais recentes)

http://felixmaier1950.blogspot.com/

 

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

 

Para conhecer a história do terrorismo no Brasil, acesse:

http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui