Usina de Letras
Usina de Letras
42 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62137 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10331)

Erótico (13566)

Frases (50547)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4748)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Cronicas-->Jarbas Passarinho: O fim de um híbrido, o político militar -- 06/06/2016 - 16:24 (Félix Maier) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos

ANÁLISE - O FIM DE UM ‘HÍBRIDO’, O DO POLÍTICO MILITAR

O Estado de S. Paulo - 06/06/2016

Passarinho resolveu chamar-se de Um híbrido fértil. Era assim que o coronel reformado e senador pelo Pará se enxergava. Dizia ser militar “por vocação e porque a pobreza impedira que a família o mantivesse em escolas e pagasse sua educação”, mas também político. Não fora o único “híbrido” em nossa história. O primeiro século da República reservou aos militares - como classe e indivíduos - um protagonismo na política que nenhuma outra carreira de Estado teve no País. Passarinho foi um dos últimos representantes desse fenômeno, que produziu não só presidentes e líderes de revoltas - vitoriosas ou derrotadas - como consolidara no Exército a ideia de que era necessário modernizar o País para garantir a soberania da Nação. Sem aço, não haveria canhões e navios. Capitães, coronéis e generais deixavam a caserna para serem interventores ou, depois, para disputar eleições em partidos que iam do PCB à UDN.

Havia conflitos. Passarinho contava que ouvira do futuro presidente Castelo Branco, então seu comandante na Escola de Comando e Estado-Maior, que o Exército não podia servir ao mesmo tempo a dois senhores: “Ou se é militar ou se é político”. Acreditava então que os comunistas usavam o nacionalismo como biombo para chegar ao poder no País. Era a influência da Doutrina da Guerra Revolucionária, que se espalhara pelo Exército nos anos 1960.

Com a deposição do presidente João Goulart, em 1964, Castelo Branco o indicou para o governo do Pará. Permaneceu um híbrido - militar da ativa e político - até 1967, quando passou à reserva. Nunca se livrou, no entanto, da patente. Nem na política - os adversários o chamavam coronel - nem na caserna. Contava que, quando Médici propôs seu nome ao Alto Comando como seu sucessor na Presidência, o general Orlando Geisel, ministro do Exército, disse: “Gosto muito do Passarinho, mas não faço continência para coronel.” E Passarinho não virou presidente. Vivia-se sob o Ato Institucional-5, que ele apoiara com a frase que o marcaria: “Às favas com os escrúpulos de consciência”. O político não deixa herdeiros - Bolsonaro não tem sua estatura nem sua trajetória é fruto de um fenômeno da caserna -, uma ausência que simboliza o afastamento do Exército da política nacional.

 

Leia os textos de Félix Maier acessando:

1) Mídia Sem Máscara
http://www.midiasemmascara.org/colunistas/10217-felix-maier.html


2) Piracema II - Nadando contra a corrente
http://felixmaier1950.blogspot.com.br/

Conheça a história do terrorismo no Brasil acessando:
Wikipédia do Terrorismo no Brasil
http://wikiterrorismobrasil.blogspot.com.br/

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Uma seleção de artigos. Imperdível!
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=12991&cat=Ensaios  e
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotexto.php?cod=13208&cat=Ensaios&vinda=S

 

Acesse as últimas postagens de Félix Maier clicando em

1) Usina de Letras
http://www.usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=FSFVIGHM

2) Facebook
https://www.facebook.com/felixmaier1950

3) Twitter
https://twitter.com/fmaier50

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui